São Pio: uma vida de testemunho!

Certamente muitas pessoas ainda perguntam: ‘quem foi Pe. Pio?’ Esse Santo recém canonizado pelo Papa João Paulo II no dia 16 de junho de 2002. Pe. Pio nasceu em Pietrelcina no Sul da Itália aos 25 de maio de 1887, sendo batizado no dia seguinte com o nome de Francisco Forgione. No dia 6 de Janeiro de 1903 ingressou na Ordem dos Frades Menores Capuchinhos vestindo o hábito Franciscano e recebendo o nome de Frei Pio.

Já na sua juventude era uma alma mística, e sentia na sua carne as marcas de uma batalha espiritual, ele mesmo diz: ‘Sentia as duas forças que em mim se gladiavam entre si e me laceravam o coração. O mal que me queria e Deus que me chamava’. Foram inúmeras as visões que tinha de Jesus, os Anjos e Nossa Senhora. Muitas vezes também era agredido violentamente pelos espíritos maus, chegando a ter no seu corpo marcas de cabo de vassoura e de cadeiras.

Sem dúvida Pe Pio foi chamado por Deus ao sofrimento, ele era a imagem do Cristo Crucificado, e isto se tornou evidente quando na noite de 20 de Setembro de 1918 o Senhor quis compartilhar com ele as dores de sua paixão, dando-lhes os Sagrados Estigmas. Mas antes de receber as chagas de Jesus em seu corpo, recebeu-os em sua alma, ele mesmo diz: ‘Na dor, Jesus está mais perto; Ele olha, é Ele que vem mendigar sofrimentos, lágrimas…; tem necessidade deles para a salvação das almas”.

Padre Pio foi ordenado no dia 10 de agosto de 1910 em Benevento, e de fato fazia da sua vida uma missa, celebrou todas elas como se fosse a primeira e a última, tudo na sua vida convergia para o Santo Sacrifício, toda a sua espiritualidade se encerrava no altar do senhor, com seus êxtases, ficava durante quatro boas horas no altar e dizia: ‘Se fosse por mim, não desceria nunca do altar’.

Por que tantas pessoas se dirigiam de vários lugares do mundo inteiro para buscar as confissões de Pe. Pio? O que tinha de diferente das outras confissões?
Pe. Pio foi um grande confessor, talvez ninguém tenha conhecido melhor o pecado como ele, não porque era um grande pecador, mas assim como Jesus, ele carregava sobre os ombros os pecados dos homens, para ele o mais pequeno dos pecados é sempre coisa horrível diante de Deus. Tinha a ciência infusa das coisas distantes…

O dom da ciência em Pe. Pio era extraordinário, via nas pessoas o arrependimento, ou não, 30% dos penitentes eram despedidos sem absolvição, muitas vezes, o confessor revelava os pecados sem o conhecer do pecador. Não se podia fugir, colocava-te nu diante do pecado e te sacudia até rejeitá-lo e odiá-lo exigindo do penitente uma conversão radical.

São muitas também as pessoas que afirmaram ter visto Pe. Pio sem nunca tê-lo conhecido pessoalmente, como? É outro mistério, o dom da bilocação (presença simultânea duma pessoa em dois lugares).

Olhando para Pe. Pio o que nos chama atenção? Os estigmas? O Dom da bilocação? Os dons carismáticos? A forma como celebrava a missa? Sem dúvida nenhuma o que atraía as pessoas a este Santo era a presença do Cristo Crucificado, do Cristo sofredor, aquele que quis compartilhar com um homem, ‘um simples Frade que reza – como ele mesmo dizia, um pouco de sua paixão. ‘Não desejo nada mais do que a cruz de Cristo’.

No dia 22 de Setembro de 1968, já com a saúde debilitada por um colapso e por várias crises de asma, às 23:00h, Pe. Pio pediu para vestir o hábito religioso, confessou-se e renovou os votos Franciscanos, e às 2hs do dia 23 de Setembro, a irmã morte o levou para junto daquele a quem tanto amara, tendo os sinais desse amor em sua carne.

Neste dia dedicado ao santo Padre Capuchinho, peçamos a Deus por intercessão de Pe. Pio a graça de assumirmos os nossos sofrimentos tendo sempre como meta aquilo que ele teve como virtude, a paz, a serenidade, a obediência, a vida de oração e por fim a santidade.

São Pio de Pietrelcina, rogai por nós!

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.