São José atento aos sinais de Deus

Neste ano, em que celebramos a conquista de uma terra sem males, no respeito e no diálogo com os povos indígenas, a presença de São José como homem justo, trabalhador, incentiva-nos a dar todo o nosso apoio para que os povos sejam respeitados e para que, na cooperação solidária, possa se construir uma terra rica de esperança e de vida. É possível ter uma terra justa, sem males e sem ódio, desde que o nosso coração seja cheio de amor e de perdão para com todos.

É sabido por todos que os Evangelhos não registram nenhuma palavra de São José; ele está sempre ao lado de Maria e de Jesus sem nada dizer. Acompanha, vê, está atento a tudo e age silenciosamente para que o projeto de Deus não seja frustrado. Ele sabe que sua missão não é ser profeta da palavra mas da ação. Nós vivemos numa sociedade da palavra e da comunicação. Aliás, o que não falta hoje são “projetos a longuíssimo, médio e curto prazos”. Sabemos organizar projetos perfeitos, temos um estoque de dados e de idéias para tudo quanto há. Mas me parece que nunca fomos tão lentos como hoje, em colocar em prática os projetos pensados e preparados com tantos pormenores. Faz-nos falta o sentido profético da aventura, rápidos em pensar e mais rápidos ainda em agir. O medo de errar nos prende e nos torna omissos. Projetos que os políticos fazem, depois de 10 anos ainda não saíram do papel, projetos que a Igreja prepara, muitas vezes permanecem “nobres desejos” que não se tornam realidades.

No entanto, a vida nos cobra e o mesmo Deus nos cobra sobre as nossas ações. Mesmo Jesus, no juízo final, não nos pergunta quais foram os nossos projetos para aliviar os sofrimentos dos pobres, dos pequenos, projetos de creches, de asilos, mas simplesmente: “Eu tive fome, sede, era estrangeiro, preso e vocês me ajudaram”. As palavras de Jesus são diretas já, e não deixam espaço para desculpa. Exigem a nossa resposta operativa e imediata. Não serve para quem tem fome dizer que estamos fazendo projetos para ajudá-lo, e nem para quem tem sede que estamos pensando como levar a água com novíssimo aqueduto de última geração. A mesma Igreja nos recorda que devemos fazer de tudo para que os projetos saiam do papel e se façam realidade.

Na escola de São José aprendemos o verdadeiro sentido da vida. Não são as palavras que revelam os valores que carregamos dentro de nós, mas sim as ações. José se faz mestre de silêncio e de ação, mestre de contemplação e de vida. Ele se torna para todos nós o modelo do pai, da escuta e da presença silenciosa ao lado de Maria e de Jesus.

Eu tenho muita devoção a São José, que Santa Teresa escolheu como protetor dos seus carmelos e como ecônomo, e ao mesmo tempo como mestre de oração. A Igreja vê neste homem justo um modelo de evangelizar, não pela palavra e não por projetos de difícil execução, mas evangelizar com a vida, atentos aos sinais de Deus. É só levantar-se e colocar-se a caminho para onde o Senhor quiser. Que São José olhe por todos nós e nos ensine a dizer “sim” mesmo quando nos parece difícil.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.