Oração de corpo e espírito

Nossa oração não é só espiritual. Como é a pessoa toda que ama, sente e age, partindo de sua unidade integral, o mesmo sucede na oração. O corpo é parte integrante de nosso ser, de nossos sentimentos e de nossas vivências.
O amor não é completo se não se expressar também mediante a linguagem do corpo.
O corpo é “sacramento” da pessoa toda: um sinal eficaz.

Ajoelhar-se para a oração tem claro sentido de humildade, adoração, arrependimento e pedido de perdão. Orar de joelhos, em casa ou diante do sacrário, ajuda-nos pedagogicamente a nos situarmos na atitude humilde e confiante na que nos cabe diante de Deus.

Colocamo-nos de pé, em sinal de respeito a uma pessoa importante, ou quando vamos realizar uma ação, à qual queremos dar realce. É a postura de quem está vigilante, de quem quer mostrar sua prontidão para a ação, sua disponibilidade e sua atenção. Para o cristão, orar de pé pode recordar valores teológicos: é a postura daquele que se sente livre, ressuscitado.

Quando oramos sentados, expressamos uma atitude interior de serenidade, de meditação, de espera e de receptividade, pois, é a atitude de quem escuta, aprende ou está meditando. E também atitude de descanso. Colocamo-nos nas melhores condições para ir captando a Palavra ou para recitar poeticamente os salmos ou interiorizar o mistério celebrado.

Baseado em “Como Orar” – J. Aldazábal

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.