O meu Natal

Natal!

Há um tempo atrás, Natal para mim tinha um outro sentido. Apesar de rezar com minha família sempre, era por várias vezes solitária em meio tantas pessoas.

Eu sentia um impulso muito grande em fazer árvores, colocando verde, vermelho e muito brilho. Não podiam faltar presentes para todos, nem os pratos tradicionais regado de muitas frutas.

Sou de origem simples meus pais eram camponeses, porém fui educada por uma outra família. Quando os descobri adotei-os, e no Natal queria realizar tudo que estava ou não ao meu alcance. Fazia a noite de natal a grande noite mágica. Dava tudo o que todos desejassem, mesmo que me custasse.

Eu queria resgatar por toda maneira, a família perdida há 25 anos, e amei-os profundamente nesse tempo.
Deus? Sim. Eu lembrava d Ele sempre como um parente longe…

Tudo era a minha família. O mundo girava em torno deles, assim supria minha grande carência, meus traumas de abandono, minhas feridas, meus recalques. Era meu bichinho de estimação – dava minha vida por eles. Defendia-os, lutava por eles a todo custo.

E Deus? De vez em quando eu pensava n Ele.
Para meu pai, figura marcante, homem simples, puro, de mãos calejadas, temente a
Deus e de caráter invejável, a quem eu amava muito, eu era a rainha e ele meu rei. Então… Ele se foi.

E Deus? Corri atrás d Ele. Procurei resposta em todos os lugares, questionei a morte, corri quilômetros em vão e só encontrei repostas em Deus. Agora tinha uma mãe viúva, quatro irmãos e uma irmãzinha de 12 anos – órfãos para cuidar.

O Natal, como ficou?
Foi cada vez mais lindo, perfeito; não queria que eles sofressem. Por isso
eu era uma “fortaleza de gelatina”. Só chorava no banheiro as madrugadas, e tomei
calmante durante 30 dias para dormir.

E Deus? Coloquei minha família no lugar d Ele.
Não consegui ver Deus nem perdendo quem eu mais amava. Então, Deus gritou mais alto e perdi meu irmão com 38 anos, depressivo pela morte de meu Pai.

E Deus? Fui falar com Ele, já sabia onde Ele estava. Conversamos por longo tempo e fiquei mais próximo d Ele. Recebia as respostas nas suas palavras. Reconquistou-me.
Porém, sou difícil como tantas outras pessoas que preferem ver a razão. Queria Deus, mas minha família continuava sendo o centro de minha vida.

Novamente reuni a família com apenas três meses em que havia sepultado meu irmão e fiz uma linda festa de final de ano. Não admitia que eles sofressem.

Passaram 12 anos e minha irmã agora tinha 24 anos e eu me orgulhava. A ensinei rezar o terço, fez a primeira comunhão, o crisma, estudou… É uma moça linda.Até que um dia me levou ao Ministério do Trabalho pedindo indenização, e minha linda família quebrou-se. Eu ganhei a causa, mas perdi a família. Quebrei-me também, desci ao fundo do poço. Todos foram embora e me senti abandonada mais uma vez. Todas as minha marcas retornaram em dobro. E pela primeira vez vim passar o Natal na Canção Nova, e o poder daquele Aniversariante começou a me restaurar.

Começamos a nos conhecer melhor, assim passei a amá-Lo no meu coração cada dia mais. Descobri que Ele estava tirando todas as minhas dores, traumas, e feridas, e sempre vai estar cuidando de mim e dos meus. Vi que o Natal tem outro sentido quando olhamos para aquele que deve ser o centro de nossa vida.

O Senhor comete “loucuras” para nos salvar, e se eu não olhasse para Ele, gritaria muito mais alto só porque me ama. Todas as pessoas que mais amamos podem nos abandonar, mas Jesus jamais nos abandonará.

Hoje estou em processo de perdoar e amar minha família. E nesse Natal, meu coração está voltado para aquele que sempre ficou de fora nas festas de seu aniversário. Quero comemorar com muita alegria e tudo que eu fizer quero saber se Ele gostaria que fosse assim mesmo.

Se não prestarmos atenção o mundo nos engole, ficamos cegos achando que somos os donos da verdade, e com isso Deus tem que tirar-nos à força para não perder-nos mesmo que isso possa nos ferir.

Sim! É Natal… Que alegria!
Toquem os sinos, as arpas… Cantem os anjos…
Viva! Vamos festejar! É festa na terra e no céu…

É Natal!

(Antes de terminar essa matéria foi para o céu mais um irmão… Deus está reunindo minha família no céu, lá sempre é Natal).

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.