Não leveis nada

Caros amigos de Francisco,
Saudações, paz e bênçãos para vocês…

São Cirilo de Jerusalém disse, “A Igreja Católica gloria-se em cada ato de Cristo. Sua suprema glória entretanto é a Cruz”. Amém…
À medida que nos preparamos para passar do tempo comum para o tempo da Quaresma, um grande tempo para gloriar-nos na Cruz de Cristo, as palavras do Rei Davi a seu filho Salomão, na hora de sua morte, são muito úteis: “Vou seguir o caminho de todos os mortais. Sê corajoso e porta-te como homem. Observa os preceitos do Senhor. Anda em seus caminhos (…) sendo fiel com todo o seu coração e toda a sua alma… (I Reis 2, 1-4)

É muito bonito… um pai ensinando seu filho a ser um homem de Deus. Davi com certeza aprendeu pelo modo mais difícil. Às vezes este é o melhor modo de aprender. Embora custe um pouco. Mas é muito bom, porque é de Deus. Aleluia… Nós podemos certamente dizer que esta percepção radical de Davi é valiosa. Veja o que diz um dos meus escritores favoritos, Abraham Joshua Heschel: “As mais valiosas idéias sobre a situação humana não foram percebidas através de especulação ou exame minucioso e sistemático, mas por surpresa e choque de fracassos dramáticos. Na verdade, é na fraqueza da frustração, em momentos de crise e auto-decepção, e raramente pela surpresa das conquistas gloriosas do homem, que uma reflexão radical ocorre”.

Esta é uma idéia radical para uma reflexão radical para uma vida radical, amém? Amém!!! Então podemos enxergar um pouco mais profundamente o Mistério de Jesus que convoca e envia os Doze (Mc, 6): “não leveis nada”. Jesus está nos enviando, a eles e a nós, se for de nossa vontade, à Divina Providência do Pai.

Esta provocação de Jesus quer suscitar um sentimento ou uma atitude, nos chamar e mexer profunda e propositalmente conosco. Normalmente a provocação causa resistência e hostilidade dentro de nós em torno de nós… Como aprendi em um de nossos retiros comunitários, em algum ponto ou em vários de nossas vidas nós devemos sustentar esta provocação. “Ou vamos, ou não vamos”. Basta colocar Jesus à frente de tudo, à frente de todo relacionamento. Não é fácil, mas é muito gratificante… Existe um pré-requisito para que isto aconteça: nossa liberdade. Na maioria das vezes, as pessoas pensam que liberdade significa ter algo ou alguém. Como nosso pregador do retiro disse: “a liberdade vem da pobreza e da pertença a Deus”. Esta é uma das razões pelas quais Jesus disse: “não leveis nada”.

Que nossa caminhada pela Quaresma nos ajude a lucrar com nossa pobreza e a gozar das riquezas de pertencer profundamente a Jesus e aos irmãos.

Para sempre em Jesus e Maria! Até a semana que vem.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.