Mas como conseguir força interior?

“A morte é mais forte do que a vida. Mas o amor é mais forte que a morte.”
Provérbio Moçárabe

Surgem tristezas durante a vida: traumas e marcas, situações que não aceitamos e que ferem profundamente nosso ânimo. Sofrimentos que chegam quando menos esperamos: o falecimento de alguém, uma doença, dificuldades na família, com o filho, a filha, o marido, a esposa, os pais; situações que às vezes decepcionam. Por algum motivo qualquer a tristeza pode aparecer. Mas você não pode se entregar a ela.

“Não entregues tua alma à tristeza, não atormentes a ti mesmo em teus pensamentos.”

É o que está escrito no livro do Eclesiástico, um pensador das coisas de Deus, no capítulo 30, versículo 22.

A pessoa paga um alto preço quando se entrega ao desânimo, a partir das tristezas da vida. A entrega de si às doenças da alma, quando se perde a alegria, a paz, a
saúde, desarticula tudo e tudo se transforma em ‘préocupações’. Desculpe… A vida se transforma num inferno e não é assim que você merece viver.

Mesmo que seu marido ou sua esposa tenha sido infiel, partiu para o adultério; mesmo que haja brutalidades dentro de sua casa, ingratidões, irresponsabilidades… Se seu marido deixou você na rua da miséria, com os filhos dentro de casa, sem dinheiro, sem pensão, sem nada… Não permita que sua chama se apague. Mesmo que você tenha se decepcionado com o amor ou com uma grande amizade, mesmo que sua família esteja dividida, ou você esteja sem nenhuma expectativa de futuro:

“Jamais se desespere em meio às sombrias aflições de sua vida, pois das nuvens mais negras cai água límpida e fecunda”.
Provérbio Chinês

Não permita que isso mate sua alma. Mas como conseguir forças interiores? A decisão já foi tomada: desânimo, nunca mais! Como conseguir ânimo tão de repente? Ainda sinto fraqueza…

Vencer o desânimo passa pelo poder de uma decisão pessoal. É uma decisão pessoal: desânimo, nunca mais! Por maiores que sejam os problemas. Desânimo, nunca mais!

Não estou minimizando seu problema. Talvez você saiba que seu problema é humanamente impossível de ser resolvido, mas aí está o mais importante: para que Deus possa agir em sua vida é preciso que você ACREDITE, ACOLHA e DECIDA.

São três coisas: acreditar, acolher e decidir. Vamos lembrar a história de Isabel? Isabel, onde fosse, carregava o milagre na barriga. No fogão, lavando roupa, buscando água, a barriga estava na frente, e nela estava o milagre de Deus. Mas a bendita Isabel estava pré-ocupada… cabeça confusa, depressiva, triste, abatida e DESANIMADA.

E isso durou até o momento em que Maria chegou à sua casa:

“Naqueles dias, Maria se levantou e foi às pressas às montanhas, a uma cidade de Judá. Entrou em casa de Zacarias e saudou Isabel. Ora, apenas Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança estremeceu no seu seio; e Isabel ficou cheia do ESPÍRITO SANTO. E exclamou em alta voz: ‘Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre’”.

Evangelho segundo Lucas, capítulo primeiro, do versículo 39 ao 42.
Naquela hora, Isabel ficou como que eletrizada… e tomada pelo Espírito profetizou. Não havia possibilidade de Isabel saber que Maria trazia um filho em seu ventre.
Quando Isabel ouviu o shalom de Maria (naquele tempo não se saudava com bom dia ou boa tarde, era Shalom), a criança estremeceu em seu ventre e Isabel ficou cheia do Espírito Santo e pôde exclamar:

“Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre. Donde me vem esta honra de vir a mim a mãe do meu Senhor?”

Evangelho segundo Lucas, capítulo primeiro, versículo 43. Como Isabel podia saber disso? Que diferença entre a Isabel preocupada e enterrada em si mesma e a Isabel que agora estava repleta do ESPÍRITO SANTO. Fiz questão de descrever como Isabel se encontrava antes, para que você pudesse ver a diferença.

Hoje muitas pessoas têm uma visão concreta do sobrenatural, usam os dons espirituais, oram pelas pessoas, mas elas mesmas estão tomadas pelo desânimo. Estão sem vida, sem alegria, sem paz: sem alma. Há outros que, pensando conhecer a Deus, entram pela realidade de “programação mental”, acendem incensos, buscam todas as formas de energização e de paz interior, mas se encontram como Isabel: desanimadas, cabisbaixas, frustradas, com os sentimentos e as emoções totalmente convulsionados, e se arrastando pela vida… por causa dos problemas.

Quando, porém, Maria chegou à casa de Isabel, tudo mudou: “Isabel ficou cheia do Espírito Santo”. É isso que Deus tem para você. Ele não lhe oferece mudanças simplistas. Ele não lhe oferece esperanças baratas. Ele não quer lhe dar soluções provisórias para alguns problemas. Ele quer mudar você. Ele quer dar um rumo na sua vida. Ele quer você uma pessoa cheia do Espírito Santo. E isso faz uma grande diferença. Isso muda sua mentalidade. Sua visão dos problemas. Sua reação diante das situações da vida. Isso faz de você uma pessoa nova. Uma nova criatura. Quantos de nós queriamos uma chance de começar tudo de novo. Partir de zero quilômetro. Ser realmente uma pessoa nova.

Isso é possível. O que aconteceu com Isabel pode acontecer com você. Deus quer. Queira você também. Queira e espere.

Não foi apenas Isabel quem ficou cheia do Espírito Santo; João Batista também. João era um milagre verdadeiro. Ele foi concebido e estava sendo gerado por uma mãe estéril e de idade avançada. Mas o que era milagre tinha se tornado um problema justamente por causa da atitude negativa de Isabel. Ela deixou-se tomar pelo desânimo. Certamente, João também se sentia um problema no ventre de sua mãe. Afinal, ele era fruto de uma gravidez agora indesejada. Mas, na hora em que Maria saudou Isabel, tudo mudou e a criança estremeceu de alegria em seu ventre.

Pensa-se que os problemas tiram a alegria, a coragem. É uma visão errada. A receita certa para os problemas é enfrentá-los. Isso gera coragem. A forma de enfrentar a tristeza é ter um coração alegre, pois a alegria do homem torna mais longa sua vida.

Do livro: “A luta pessoal para resolver os problemas da vida íntima”

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.