JM das Comunicações

A Igreja olha com confiança a Internet, vê que ela oferece maginificas oportunidades à difusão do Evangelho,mas que pode ser usada de modo maléfico. O Arcebispo Dom Foley analisa para nós a mensagem do Papa para a Jornada Mundial das Comunicações Sociais.

A Internet oferece magnificas oportunidades para a difusão do Evangelho, e é um moderno instrumento, do qual a Igreja se aproxima com realismo e confiança, no entanto a Igreja está consciente de que existem modos degradantes e danosos de usá-la. Estas palavras, em síntese, são o coração da mensagem de João Paulo II para a trigésima sexta Jornada Mundial das Comunicaçoes Sociais: . O Papa tem, portanto, dedicado às novas tecnologias das comunicações, reflexões marcadas pelo otimismo, convidando a Igreja a ultrapassar corajosamente esta nova porta, para lançar as redes na rede. Segundo a Irmã Judith Zoebelein do departamento de Internet da Santa Sé : “ A este ponto a Internet è um mundo, ela tornou-se um mundo paralelo ao nosso. O Santo Padre notou justamente que o mundo da Internet representa para a Igreja uma nova fronteira, com a qual devemos nos confrontar.(…) A Igreja deveria difundir a sua mensagem através de um meio de comunicação na mídia, assim istantânea, assim veloz. Além disso, uma mídia, onde é possivel entrar em contato com os jovens, quem dera – acrescenta Irmã- com aqueles jovens que não vão a Igreja, ou que não frequentam os grupos da paróquia.” (Irmã Judith Zoebelein – Departamento Internet Santa Sé).

Internet, recordou o Papa em sua mensagem, é um meio e não um fim em si mesma, portanto, precisa ser utilizada com competência e com clara consciência da sua força e das suas fraquezas. Surgem assim, as coordenadas para se movimentar no mar da Web. Este cyberspazio fornece um fluxo quase infinito de informações, muitas das quais duram somente um minuto. ‘Em uma cultura que se nutre do passageiro – adverte João Paulo II – se pode facilmente correr o risco de acreditar que os fatos contam mais do que os valores. A Internet, portanto, oferece numerosas noções, mas não ensina valores – escreve o Santo Padre – e quando estes últimos são deixados de lado a nossa mesma humanidade resulta frustrada e o homem perde facilmente de vista a sua dignidade transcedente.

O Arcebispo Dom Foley – Pres. Pontificio Conselho das Comunicações Sociais apresenta três princípios que precisam ser respeitados: “Em todo tipo de comunicação devemos respeitar três princípios. A primeira coisa é a verdade. A segunda é a dignidade da pessoa humana; a terceira coisa é o bem comum. Certamente Jesus é a Verdade; certamente a verdade que se refere a Jesus respeita a diginidade da pessoa, cria a dignidade da pessoa, e a verdade de Jesus certamente contribui para o bem comum. Nós podemos levar mais pessoas a Cristo através da Internet. Obviamente, a rede contém também tentações, como a pornografia, as falsidades, tentações que devemos evitar. Todos os meios de comunicação podem ser utilizados para o bem ou para o mal. Neste caso, devemos utilizar a Internet para o bem: devemos levar Jesus àquelas pessoas que procuram a sua verdade e o seu amor.”

O fato de que, através da Internet as pessoas multiplicam os seus contatos de formas até agora impensáveis não pode, no entanto, fazer esquecer – advertiu o Papa – que uma evangelização autêntica não poderá nunca renunciar ao contato humano direto. João Paulo II tem, portanto, convidado a Igreja a entrar neste novo fórum, armada do Evangelho de Cristo, Princípe da Paz, para promover a cultura do diálogo, da participação, da solidariedade e da reconciliação, sem a qual a paz não pode florescer.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.