Ícone do amor de Deus

O homem é sempre a grande referência de todo o universo. Ele é o Ícone do amor de Deus. Sempre que o homem é deslocado do lugar que lhe é específico, pelo reducionismo morterialista ou pela alienação da exaltação, desejando substituir Deus, ele perde a dignidade e os seus direitos são esquecidos ou adulterados.

Importa colocar o homem no seu lugar como ser de consciência. É este ser único na evolução da criação, que merece a maior atenção e respeito.

Hoje as áreas da Biologia e Medicina têm uma incidência muito forte na vida humana. A nossa postura, sobre a vida humana, não se pode limitar a questões meramente pontuais ou periféricas. É fundamental a reflexão sobre a dignidade humana e a intervenção no genoma humano, o diagnóstico genético com a autonomia da pessoa e o determinismo genético, o transplante de células ou tecidos embrionários ou fetais e ainda as intervenções farmacológicas e psicoterapêuticas.

Todos estes campos são hoje um campo fértil para experiências que não podem ser realizadas de forma anárquica mas sempre tendo em conta a ética.

Nos dias de hoje, todo o homem, e especialmente o cristão, é convidado a reflectir, com serenidade, toda esta problemática que toca a vida humana. Só em parâmetro ético se deve situar a vida humana desde o princípio de vida (aborto) e fim da vida (eutanásia).

A dignidade humana, com os direitos inerentes, não pode ser atrofiada por análises redutoras onde os meios são mais importantes que a finalidade da vida humana.

Na minha visão, só a ética cristã, baseada na Palavra de Deus, poderá dar uma solidez mais estruturante frente aos grandes desafios da Biologia e Medicina.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.