Guardiões do futuro

Todos os dias, nas mais diversas regiões do Brasil, milhares de mulheres deixam suas casas e seguem em direção ao trabalho. Muitas passam o dia com o coração apertado, sem saber ao certo se os filhos estão seguros, protegidos… Devido à falta de creches e à reduzida quantidade de vagas nas unidades existentes, inúmeros pais têm de delegar aos filhos mais velhos – às vezes crianças de nove, 10 anos – a responsabilidade de tomar conta dos irmãos menores. Cedo, têm de assumir tarefas complexas, perdendo parte de sua infância, comprometendo seu desenvolvimento e até mesmo colocando a vida de outras crianças em risco.

Nesse contexto, a importância das creches é fundamental para oferecer segurança às crianças e tranqüilidade aos pais. A existência desses espaços possibilita uma melhoria significativa, principalmente para as comunidades de baixa renda, que não dispõem de condições financeiras para arcar com mensalidades de escolas especializadas em receber meninos e meninas com idade inferior a sete anos.

Cuidar dessas crianças economicamente desfavorecidas é justamente o trabalho dos voluntários, mantenedores e profissionais que atendem a Creche Lar Padre Vita, na cidade de Pindamonhangaba, no Vale do Paraíba. Fundada no início dos anos 70 pelo religioso que dá nome ao espaço, o lugar tinha como objetivo cuidar das crianças portadoras de tuberculose. Porém, após a morte do sacerdote, em 1972, o local passou a funcionar como creche – atendendo às necessidades mais prementes da população.

Hoje, o trabalho social realizado vai além do cuidado com os pequenos. A irmã Eva Ribeiro Lopes, diretora da creche, explica que o espaço abriga profissionais preparados para prestar orientações diversas às mães. O resultado repercute não só nas famílias mas em toda a comunidade: “Fico tranqüila quando deixo meus filhos aqui. Sei que eles recebem carinho, formação religiosa e uma educação que vai ajudar a formar o caráter das crianças. Por isso, trabalho sossegada”, revela Tatiana – mãe de Igor e Ingrid.

No total, 120 meninos e meninas têm a oportunidade de passar o dia desenvolvendo atividades lúdicas, brincando, recebendo alimentação, educação e orientação sobre higiene e saúde. A Entidade também mantém um relacionamento de extrema confiança com os pais, responsabilizando-se pelo repasse de cestas básicas encaminhadas a essas famílias pela Prefeitura do Município.

“Recebemos crianças com idades entre um ano e meio e seis anos. Para 2009, pretendemos ampliar o nosso atendimento, mas precisaremos de ajuda financeira. Este é um trabalho maravilhoso. A gente se sente iluminada pelo sorriso dos meninos e meninas”, revela a assistente social Tatiana Derrico.

A educação é outro ponto importante do dia-a-dia da Creche. Há dois anos fazendo a pré-alfabetização dos alunos, a professora Lucimara de Oliveira detalha o processo ensino-aprendizagem: “Utilizamos atividades ao ar livre, brincadeiras e combinados. Desde cedo, incentivamos a inserção da democracia no cotidiano. Todas as decisões são tomadas por meio de eleições. Também usamos um projeto chamado Viajarte. Trata-se de uma mala com fantoches, roupinhas de teatro e livros. Organizamos os estudantes em grupos e aproveitamos para trabalhar a criatividade e a fantasia”.

O apoio da comunidade a projetos dessa natureza é fundamental. Na opinião de Vito Ardito Lerário, um dos colaboradores da Creche, é preciso que todos saibam a importância essencial desse tipo de empreendimento: “Projetos sociais como esse evitam que essas crianças acabem nas ruas. É um grande trabalho”, enfatiza.

Apesar da grandiosidade dessas ações, as dificuldades financeiras são uma constante. “Na verdade, aqui a gente mais dá do que recebe apoio… Para que possamos nos manter, contamos com a ajuda do Instituto Nossa Senhora das Graças e da Prefeitura”, reconhece irmã Eva.

Infelizmente, a carência de recursos financeiros e até de pessoal é uma situação comum a grande parte das entidades assistenciais. É nosso dever contribuir para que essa situação se modifique o quanto antes. Para isso, devemos procurar as instituições sociais de nossas cidades, buscando informações e oferecendo auxílio. Você pode colaborar com doações ou com algumas horas do seu tempo. Participe! Faça a diferença em sua comunidade!

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.