Eu quero pão!!!

E eu vos digo: pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei, e abrir-se-vos-á. Pois todo aquele que pede, recebe; aquele que procura, acha; e ao que bater, se lhe abrirá. (Lc 11, 9-10)

Jesus nos disse que se pedirmos no nome Dele, o Pai atenderá. Se batermos no nome Dele, o Pai há de abrir as portas. Isso é Evangelho! Isso não sou eu quem inventou; isso é promessa de Cristo!

Você já parou para pensar nas qualidades que Jesus tem como pessoa? Eu penso que Jesus não tinha nenhum defeito. E não tinha mesmo! Ele era todo virtudes… Portanto Ele tinha todas as qualidades. Coisa lógica, não é? E, se Ele tinha todas as qualidades, certamente Jesus era um homem de palavra. Cumpria aquilo que prometia.

Antigamente, quando um homem de honra e respeito fazia uma promessa, nem se mencionava a possibilidade desse homem não cumprir aquilo que ele havia prometido. Prometeu, cumpriu. Ponto final!

Jesus é exatamente assim. Ele nos prometeu várias coisas e, tudo que Ele nos prometeu, ou já se cumpriu, ou está se cumprindo, ou certamente irá se cumprir! Jesus tem palavra, e quer cumprir Sua palavra!

E quando Ele nos diz que tudo aquilo que se pede no nome Dele será atendido, pode ter certeza, será mesmo atendido. Claro que você não vai pedir em nome de Jesus, coisas que são contrárias àquilo que Ele ensina. Mas se está dentro do que Deus quer de nós, certamente Ele atenderá!

Estou escrevendo isso para questionar você. Como você tem se dirigido a Deus? Como você tem vivenciado a sua oração?

Nesses dias recebi um “puxão de orelhas” de Deus. Vou contar-lhes como foi, porque acho que, certamente, servirá de formação para você que, sempre que pode, lê as nossas formações:

Estou com um problema na minha família. Tenho um tio que está com câncer, faz um ano mais ou menos. E claro, toda a minha família está muito sofrida com a situação. E eu que estou longe, venho sofrido silenciosamente, e, silenciosamente venho rezado também.

Mas nessa semana, enquanto fazia a minha oração pessoal lá na Capela, Jesus me fez perceber que eu rezava não de forma errada, mas de forma apática… Tudo errado! – como dizia um Padre amigo meu. Talvez você até hoje, tenha agido como eu. Até que eu pedia (e talvez você pense assim, eu peço todos os dias e nada acontece), mas pedia dizendo assim: “Senhor cura fulano, mas se não for da sua vontade”… O problema não era pedir as coisas para Deus, o problema é como você pede as coisas para Deus. Foi isso que Ele me falou.

Jesus disse: Se um filho pedir um pão, qual o pai entre vós que lhe dará uma pedra? Se ele pedir um peixe, acaso lhe dará uma serpente? (Lc 11,11) Deus dá não aquilo que você pede por causa das suas palavras, mas aquilo que o nosso coração pede. E mais! Jesus quer de nós uma oração ativa, insistente, e até porque não dizer: importuna. Repare esse texto:

“Se alguém de vós tiver um amigo e for procurá-lo à meia-noite, e lhe disser: ‘Amigo, empresta-me três pães, pois um amigo meu acaba de chegar à minha casa, de uma viagem, e não tenho nada para lhe oferecer’; e se ele responder lá de dentro: ‘Não me incomodes; a porta já está fechada, meus filhos e eu estamos deitados; não posso levantar-me para te dar os pães’; eu vos digo: no caso de não se levantar para lhe dar os pães por ser seu amigo, certamente por causa da sua importunação se levantará e lhe dará quantos pães necessitar…” (Lc 11,5-8)

É assim que Deus quer que rezemos. E só assim Deus vai realizar o milagre, pois essa oração (insistente) é a oração de quem, de fato, crê que Deus escuta.

Não podemos estar diante de Jesus de forma apática. Mas temos que estar diante de Jesus persistentemente… Interessante, não é?! Para mim, foi como se um raio caísse sobre minha cabeça.

Imagine se essa pessoa, ao pedir pão e ouvir o primeiro não, resolvesse desistir, ou ficar com raiva desse vizinho!? Será que isso resolveria o problema? Claro que não! O que resolveu o problema? A insistência e a ousadia daquela pessoa que necessitava do pão. Isso resolveu o problema.

Outra coisa que me chamou a atenção: Essa pessoa não pediu ao vizinho qualquer comida. Ela pediu pão! Ela sabia exatamente o que queria. Ela não disse: “vizinho arranja ai qualquer comida para eu dar às visitas que chegarão em minha casa…” Ela foi específica diante da necessidade dela. Jesus me disse que era assim que eu deveria pedir.

Se eu quero a cura do meu tio, que eu peça insistentemente e ousadamente essa cura. Se Ele vai dar ou não, é outro departamento que não cabe a nós, nem a mim nem a você, porque Deus é Deus! Ele faz o que Ele quer, porque é Deus e, é muito mais inteligente do que nós! Se quiser outra coisa dessa situação, Glória a Deus por isso! Certamente Ele tem um excelente motivo! Não adianta brigar com Deus, revoltar-se… Mas enquanto houver possibilidade de estar aos pés de Jesus dizendo, “cura meu tio Senhor”, eu estarei fazendo isso! E insistentemente! Ainda que as evidências sejam contrárias, eu quero receber a graça da ousadia na intercessão!

E quero convidar você a embarcar nesse processo lindo de oração que eu estou vivendo. Você topa? De verdade? Então pare de ler esse texto agora e peça a Deus a graça de ser ousado na fé. Insistentemente ousado! Reze agora. Depois continue a ler!

Rezou? Que bom! Para mim é algo novo. É como se eu tocasse nas portas do Céu! Gostaria de ouvir sua partilha. O que esse texto provocou em você?

Aguardo seus comentários!

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.