Escutar com o coração.

Outra vez a celebrar o mês da Bíblia. Da Palavra de Deus. Do Verbo que se fez carne. Palavra poderosa e onipotente, pois sem ela nada foi feito de tudo o que existe (cf. Jo 1, 3). Palavra viva e eficaz. Penetrante até dividir alma e espírito. Julga os pensamentos e as intenções do coração. Diante dela ninguém consegue ocultar-se (cf. Hb 4, 12-13).

O coração sábio procura conhecer e experimentar a Palavra de Deus, afinal, Senhor, “bastava descobrir tuas palavras e eu já as devorava, tuas palavras para mim são prazer e alegria” (Jr 15, 16).

Entrando em sua intimidade, ela me transfigura, muda e transforma minha vida. Escutar a Palavra de Deus com assiduidade e perseverança assegura a renovação espiritual. E ainda que lhe crie resistência, ela me sustenta e protege em meu caminhar.

A Palavra tudo ensina, tudo revela e me conduz à sua fonte: ao coração de Deus. Para aproximar-se do coração de Deus é necessário purificar-se, ‘tirar as sandálias’…

O conhecimento da Palavra está na razão direta com a transparência do coração e a santidade de vida.

A leitura orante da Palavra é itinerário seguro de conversão, caminho aberto, lâmpada para os passos, pão que sustenta e fortalece, água que restaura, bálsamo que suaviza as feridas da caminhada.

A Palavra de Deus é instrumento de paz, sacramento de comunhão entre os corações que se empenham na busca sincera do Senhor.

Palavra ouvida com a inteligência do coração requer o espírito de infância espiritual, serenidade interior, deserto…

Assim, ela chega ao coração, e o Espírito de amor transforma os sentidos interiores, tornando-os capazes de pressentir na página sagrada os traços do rosto de Deus.

Trata-se de chegar à contemplação da Palavra. Não, porém, a uma qualquer, mas à contemplação que nos leva à adoração de Deus em espírito e verdade. Desta intimidade é que começamos a conhecer e a experimentar Deus no coração, e já não mais apenas e só na inteligência…

Escutando a Palavra com o coração, nossos pensamentos, sentimentos e desejos cederão lugar aos de Cristo Jesus.

A fidelidade à Palavra nos identifica com Ele e configura à sua imagem, nos faz ouvir a voz de Deus e descobrir a fonte de água viva, para nunca mais sentirmos sede (cf. Jo 4,14; 6,35; 7,37).

‘Dá-me, Senhor, um coração dócil à escuta da Palavra. Arranca do meu peito o coração de pedra e dá-me um coração de carne, a fim de que acolha a tua Palavra e a ponha em prática (cf. Ez 11, 19-20).

Aprenda o silêncio vigilante de Nazaré e como Maria, que eu conserve e guarde a Palavra dentro do mais íntimo de meu ser.

Enfim, que ela não torne a Deus sem antes ter cumprido em mim a sua vontade e assegurado o êxito da missão que lhe foi confiada (cf. Is 55, 11).

Na Palavra de Deus assumida, interiorizada, celebrada e vivida, está a fonte perene e cristalina da caminhada cristã.’

Dom Nelson Westrupp, SJC.
Bispo de São José dos Campos – SP

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.