Escravos pelo amor...

“Sim, irmãos, fostes chamados para a liberdade. Porém, não façais da liberdade um pretexto para servirdes à carne.”(Gal 5, 13a)

Deus nos criou para sermos livres, mas infelizmente o pecado entrou no mundo e começou a escravizar os filhos de Deus, pois o homem cedendo às tentações da carne, fez da liberdade dada por Deus um pretexto para se entregar às paixões, e a uma vida totalmente desordenada, se esquecendo que em meio a esta liberdade que nos foi dada, nem tudo convém que façamos.

“A mim tudo me é permitido, mas nem tudo me convém.” (1 Cor 6, 12a)

Se o pecado entrou no mundo para escravizar as pessoas, tudo está perdido?

Com certeza não, pois Deus, na Sua infinita misericórdia nos enviou Seu Filho Único, para que a partir Dele, de sua morte na cruz e ressurreição, nós pudéssemos novamente gozar da liberdade de filhos de Deus. Por isso, hoje somos completamente livres para vivermos a santidade, renunciando ao pecado, fazendo com que o PHN se torne possível de ser vivido, pois aquilo que nos dominava (o pecado) já não tem poder nenhum sobre nós; por isso que a vida nova que tanto sonhamos em ter, só depende de nós, de nossas atitudes diante do pecado.

“A mim tudo é permitido, mas não me deixarei dominar por coisa alguma.” (1 Cor 6, 12b)

Muitos vivem na escravidão do pecado, pois não tiveram ainda uma profunda experiência pessoal com Deus, que é o único que tem o poder de nos libertar, nos curar e nos salvar.

Todos nós necessitamos ter um encontro pessoal com Deus, e não somente como uma experiência única nas nossas vidas, não! Muito pelo contrário, pois precisamos estar com Deus todos os dias e de maneira profunda, pois se nossa carne anseia pelo pecado, nossa alma anseia muito mais pelo amor de Deus, o qual nos criou e nos capacitou a vivermos como irmãos. Por isso a única escravidão que nós chamados a viver é a do amor para com nossos irmãos.

“Pelo contrário, fazei-vos escravos uns dos outros, pelo amor. Pois toda a lei se resume neste único mandamento: Amarás o teu próximo como a ti mesmo.” (Gal 5, 13b)

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.