Em qualquer guerra ninguém tem 7 vidas!

Parece engraçado, mas penso ser um bom ícone do conflito que acontece entre especificamente Bush e Saddam. Com facilidade diríamos que quem aponta para o gatuno e tirano do Iraque é o presidente da maior potência bélica do planeta quem, mas uma análise mais profunda das notícias recentes, coloca na mira das “balas” programadas ou perdidas os inocentes que sofrerão, ou já estão sofrendo, diante do ataque dos E.U.A e aliados, com ou sem o apoio da O.N.U (Organização das Nações Unidas) a qual ironicamente surgiu por inspiração americana, no período pós Segunda Guerra Mundial (1945).

Por isso a Igreja ensina na sua experiência milenar o NÃO A GUERRA, pois esta sempre foi a voz do Príncipe da Paz, que gritou a Pedro, o qual no momento da prisão do Mestre, não agindo como discípulo de Jesus, decepou a orelha direita de um dos servos do sumo-sacerdote: “Deixai, basta.” (Lc 22,51), acompanhado da lógica da guerra: “Embainha tua espada, porque todos aqueles que usarem da espada, pela espada morrerão” (Mt 26,52).
“O quinto mandamento – “Não matarás!” (Ex 20,13) – proíbe a destruição voluntária da vida humana. Por causa dos males e das injustiças que toda guerra acarreta, a Igreja insta cada um a orar e agir para que a Bondade divina nos livre da antiga escravidão da guerra” (CIC 2307).”

A Igreja de Cristo denuncia desta maneira a guerra injusta na autoridade do Senhor, e como a instituição mais antiga e duradoura da história da humanidade, que na sua experiência e vastos registros, aprendeu a ouvir e a obedecer a voz do Espírito, em meio aos acertos e erros históricos dos povos guerreiros de todos tempos, os quais não deixaram de influenciar para combates injustos os próprios filhos da Igreja, como no caso dos excessos ocorridos no tempo das cruzadas.

O nosso Pedro de hoje, o papa João Paulo II, que já pediu perdão público para as vítimas dos erros dos filhos da Igreja, convocou no dia 5 de março, as Religiões do mundo inteiro, a começar pelos cristãos, para jejuar e orar pela paz no mundo, pois bem sabe que não será uma orelhas, mas o lado direito do nosso planeta que será ferido de morte. No Ângelus do dia 16 proclamou: “Diante da humanidade marcada por graves desequilíbrios e tanta violência, não devemos perder a confiança: o Amor de Deus, que resplandece em plenitude no rosto de Cristo, refleti fiel e misericordiosa sobre este mundo”.

O papa apontou para o Rosto do Transfigurado, lembrou que o povo iraquiano e toda a região do Oriente Médio já sofridos padecerão ainda mais, mas alertou para os extremismos que poderão afetar a tantos outros inocentes. Da parte de Saddam Hussein não observamos uma outra disposição, pois assim declarou pela televisão estatal: “Quando o inimigo iniciar a guerra, terá que saber que o confronto entre ele e nós explodirá onde houver céu, terra e mar, em escala mundial”.

Não estamos contra Saddam e nem a favor de Bush, mas do lado do papa que convoca-nos a levantarmos a bandeira da PAZ!!! Do Vaticano João Paulo II também afirmou “sempre a tempo para negociar, todavia há espaço para a PAZ!!!” Estamos com este líder mundial, o qual é o primeiro a não medir esforços para indicar e promover os necessários acordos políticos e entendimentos entre os povos, sem perder a visão de fé que garante ser a PAZ “um Dom de Deus, quando aceitam com humildade e gratuidade a luz do seu AMOR”.
Portanto, levantemos os nossos braços, sim, mas para intercedermos pela PAZ no mundo e para ecoar a voz do Príncipe da Paz: “Deixai, basta” Bush e Saddam, pois em qualquer guerra ninguém tem 7 vidas!

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.