Brasil tem o maior número de Bispos no mundo!

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) realiza, em Itaici, sua 40ª Assembléia Geral comemorativa neste ano, de seu jubileu áureo de existência. O sentimento fundamental que invade a Assembléia Geral é de gratidão a Deus por estes abençoados 50 anos de existência da CNBB, a Conferência que congrega o maior número de Bispos no mundo!

Dádiva magnífica recebeu a CNBB, no primeiro dia da 40ª Assembléia Geral: a carta autografada do Papa João Paulo II entregue aos bispos pelo cardeal Giovanni Battista Re, prefeito da Congregação para os Bispos.

Jornais de alta circulação no Brasil anunciaram a vinda do cardeal Re ‘com o propósito de determinar que a CNBB retome os valores religiosos e interfira menos possível nas questões de política e economia‘. A notícia, porém, carece de qualquer fundamento, é falsa. Infelizmente, articulistas insignes, irmãos na fé, firmados nesta falsa notícia, teceram considerações que atingiram negativamente a CNBB e sua missão!

Em nenhum momento, o Papa João Paulo II em sua missiva à CNBB e o cardeal Giovanni Battista Re, em seus vários pronunciamentos, coibiram, criticaram, o profetismo da CNBB. A insistência papal e do prefeito da Congregação recaiu na urgência da CNBB ser promotora de efetiva e afetiva colegialidade episcopal, em país de dimensões continentais que abriga tão numerosos e diferentes bispos unidos ao Papa e entre si.

O Papa João Paulo II e o Cardeal Re destacaram, ainda, o fundamental da missão episcopal: evangelizar. Missão de anunciar ‘o Cristo, com esperança, que está no meio de nós, como enviado do Pai, animando com seu Espírito, a Igreja e oferecendo sua palavra e sua vida ao homem de hoje, para levá-lo à sua libertação integral‘. (Puebla 166). Evangelização que abarca também a opção evangélica pelos pobres com todos os temas candentes que lhe dizem respeito. Estas palavras do Concílio Vaticano II norteiam a ação evangelizadora da Igreja neste campo: ‘As alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos homens de hoje, sobretudo dos pobres e de todos os que sofrem, são também as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos discípulos de Cristo’ (GS 1).

Em sua missão religiosa – que não é sinônimo de alienada, ‘de ópio do povo’ – a CNBB se inspira no exemplo e palavras de Jesus. Ele fustiga a classe dirigente de seu povo, chamando-a de ‘raça de víboras’, ‘sepulcros caiados’; diante da multidão faminta, se apiada e multiplica pães e peixes…

Na comemoração dos seus 50 anos de existência, a CNBB oferece ao povo brasileiro verdadeiro presente de aniversário: ‘Exigências éticas e evangélicas de superação da miséria e da fome‘. Com esperança e realismo, por razões de fé, não de política partidária e de quaisquer intromissões que não lhes são devidas, a CNBB proclama que um Brasil justo, solidário, é possível, rasgando horizontes, para que isto aconteça.

Dom Angélico Sândalo Bernardino,
bispo de Blumenau (SC),
Membro da Comissão Episcopal de Pastoral e Jornalista
Itaici, 18 de abril de 2002

Cobertura completa da 40º Assembléia Geral dos Bispos do Brasil em Itaici aqui no Portal cancaonova.com

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.