Acreditando na força do Amor

Oi, Tudo bem?…

Nesta matéria de hoje eu quero partilhar com você algo que vivenciamos neste final de semana aqui em São Paulo.

Neste mês de fevereiro tivemos um evento, o qual Deus falou muito.

Estava no final de semana trabalhando bastante para divulgar a “Noite tropical”, e às 16h encontrava-me no chat na sala de convidados, falando sobre esta “festa do hawaí”.

Tudo transcorria normalmente, até que, ao falar da festa, percebia que Deus me levava a relembrar de um fato, que vou contar para você, pois talvez isto tenha algo a ver com você ou com alguém que conhece… Vamos lá!!!

Tinha um amigo que, desde garoto, freqüentava a nossa casa. Eu o vi crescer: cinco, seis, sete, oito anos… Enfim, vi aquele moleque vir ao mundo!!!

Aos 14 anos este amigo morreu, mas antes escreveu uma carta para seus pais, intitulada de “meu primeiro amor’.

Nesta carta ele contava da sua primeira paixão – Maria Rhuana.

Ali ele relatava que, aos 10 anos, a conheceu. Foi uma paixão fulminante do qual ele contava que não teve tempo de se decidir, e que permaneceu com ela dos 10 aos 14 anos.
Ele contava que, junto com ela – Maria Rhuana – viveram momentos de prazer, satisfação, mas chegaram ao fim, ele já não tinha mais domínio sobre ela.
Até que ela – Maria Rhuana (maconha) –,acabou com ele!!!

Acredito que você entendeu!
Naquele final de semana, fiquei pensando: se aquele moleque tivesse tido um encontro, uma experiência com Deus, uma “Noite tropical” em sua vida…, talvez isto não tivesse acontecido.

Vou ser ousado com você!!!
Talvez você não tenha vivido nada disso!
Quem sabe sua “Maria Rhuana” seja o álcool, mau humor, depressão… ou sei lá o quê, mas o que compreendi é que “não podemos desistir de levar Jesus até as pessoas”.

E que, independente da quantidade de pessoas que se reúnem, Ele tem a força de “salvar almas”.

Acredite no amor!

Tchau! Até a próxima!

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.