Diversas influências

A obesidade está ligada diretamente a fatores emocionais?

Uma gama de fatores que variam entre os indivíduos contribui para o desenvolvimento da obesidade

O que é obesidade? Uma doença? Falta de controle alimentar? Sua origem vem de fatores internos (orgânicos) ou externos (meio)?

São muitas as indagações que podemos fazer a respeito da obesidade, mas a quem realmente devemos atribuir o ônus dela?

A obesidade está ligada diretamente a fatores emocionais

Foto Ilustrativa: esolla / by Getty Images

A palavra vem do latim obesus (“ob” muito; “edere” comer), uma definição de aumento da quantidade de gordura corporal ou do tecido adiposo. Segundo o DSM-V (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, 5º edição), “a obesidade (excesso de gordura corporal) resulta do excesso prolongado de ingestão energética em relação ao gasto energético. Uma gama de fatores genéticos, fisiológicos, comportamentais e ambientais, que variam entre os indivíduos, contribui para o desenvolvimento da obesidade; dessa forma, ela não é considerada um transtorno mental. Entretanto, existem associações robustas entre obesidade e uma série de transtornos mentais (p. ex., transtorno de compulsão alimentar, transtornos depressivo e bipolar e esquizofrenia).”

Quais são os fatores que influenciam na obesidade?

O controle de ingestão de alimentos e o peso possuem complicadores devido às diversas influências: hereditárias e ambientais/culturais. No âmbito hereditário, existem síndromes genéticas que tiveram suas associações com a obesidade, assim como as alterações no campo do hipotálamo. Não entraremos no detalhe genético no momento, pois, sabemos que a prevalência da obesidade está no fator externo, ambiental/cultural, e é dele que falaremos no momento.

A comida e o afeto combinam-se desde o primeiro momento em que a mãe alimenta seu filho. O alimento não serve apenas para suprir as necessidades biológicas, mas também como resposta às tensões emocionais. O bebê depende integralmente de sua mãe, seja para que ela troque sua fralda, cuide de suas dores, faça-o dormir e alimente-o. Nessa dependência, o bebê já aprende que, quando ele chora, logo sua mãe o pega nos braços e, por muitas vezes, oferece-lhe o leite materno. Essa necessidade manifestada pelo choro nem sempre é fome, pode ser só um desejo de estar com a mãe; mas como sua única via de se comunicar é por meio do choro, a mãe pode não compreender que a necessidade dessa criança seja apenas afetiva e não nutricional, e a criança acaba associando o ato de comer ao colo da mãe, pois não há nada melhor que o colinho dela.

O ato de ser amamentado não só é rico em afeto, como também o ato de sugar oferece prazer para o bebê. É possível ver a reprodução desse estímulo no ato de chupar a chupeta ou o próprio dedinho, meios que não oferecem nenhum tipo de alimento, mas têm o mesmo movimento que sugar o peito da mãe. Percebam o quanto o ato de comer está ligado ao afeto.

Leia mais:
.: Cirurgia plástica é pecado? 
.: Detóx, meu corpo não faz sozinho? 
.: Esclerose múltipla. O que é e quais são os sintomas? 
.: Você compensa suas emoções na comida?

Comer em excesso pode ser um mecanismo de defesa

Se, no entanto, o ato de comer é um comportamento aprendido desde bebê (a criança nasce com o instinto para comer, mas são seus cuidadores que a ensinaram a se alimentar), o ser humano pode associar o ato de alimentar-se à solução de suas necessidades emocionais, como aprendido no início de sua vida. Com isso, o comer em excesso poderia ser um mecanismo de defesa para aplacar essa angústia ou para enfrentar sentimentos de inadequação pessoal.

Formas de amenizar a angústia

O comportamento alimentar inadequado seria uma reação emocional “desajustada”, uma forma que o indivíduo encontra de minimizar suas angústias. Se ele descarrega suas angústias e tensões no alimento, será um forte candidato a desenvolver um quadro de obesidade, seja em grau leve, como sobrepeso ou em grau mais avançado como obesidade mórbida.

Aliado ao quadro emocional estão as reações neuroquímicas provocadas pelo alimento em nosso organismo, porque há vários alimentos que oferecem estímulos para melhorar nosso ânimo, prazer, bem estar e bom humor. O neurotransmissor mais comum e mais falado é a serotonina, pois a ausência dela pode manifestar carência de emoção, irritabilidade, sentimento de menos valia, choro e inúmeras alterações emocionais. Por isso, quando comemos um brigadeiro, um chocolate ou alimentos ricos em carboidratos, temos uma sensação de bem-estar.

Excessos na alimentação

Não é possível esconder-se atrás de uma”forma alimentar”, muito menos tornar-se escravo de um comportamento impulsivo ou compulsivo, em que não se consegue obter controle sobre o que se come. Podemos comer de tudo, porém, de forma equilibrada, sem excessos. Se você percebe alguns excessos em sua alimentação, já tentou várias formas de emagrecer e não conseguiu, avalie suas emoções e procure um psicólogo para ajudá-lo a encontrar o ponto de equilíbrio entre elas e a alimentação.


Aline Rodrigues

Aline Rodrigues é missionária da Comunidade Canção Nova, no modo segundo elo. É psicóloga desde 2005, com especializações na área clínica e empresarial. Possui experiência profissional tanto em atendimento clínico, quanto empresarial e docência.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.