Hipertensão arterial

A hipertensão arterial, mais conhecida como “pressão alta”, pode ser encarada como uma doença ou como uma situação que pode levar à coerência de moléstias cardiovasculares. Não deve ser vista apenas como um simples resultado elevado da medida da pressão arterial. Na grande maioria das vezes, não provoca sintomas ou os sintomas são gerais (podem ocorrer em qualquer doença), como dores de cabeça, tonturas, mal-estar.

Esse é o grande perigo, pois a pessoa pode viver por muito tempo com a pressão elevada e praticamente sem sintomas. Infelizmente, o primeiro sintoma pode ser o acidente vascular cerebral, o infarto do miocárdio ou até mesmo a morte, resultando em seu codinome: a assassina silenciosa.

É muito importante entender que quem sofre de hipertensão arterial terá de fazer seu controle por toda a vida, pois na maioria das pessoas (95%) não se consegue descobrir a sua causa.

Muitas vezes vejo clientes abandonarem a terapêutica medicamentosa que recomendei por acharem que não estão sentindo nada ou por se considerarem curados. Esse é um dos problemas que enfrento no meu dia-a-dia de consultório, pois é muito difícil o paciente admitir que terá de tomar remédio a vida toda.

Outros fazem autotestes com a suspensão da medicação “só para ver se estão curados” ou “para saber se realmente precisam tomar remédio para a pressão”. Nunca faça essas experiências porque elas podem sair caro demais para você, caro (a) leitor (a).

Na semana passada atendi Dona Cida, uma senhora que não via havia muito tempo. Chegou ao consultório em uma cadeira de rodas e não conseguia falar nada, apenas balbuciava algo que eu não podia entender. Logo percebi que aquela senhora, falante e vigorosa, que conhecia da última consulta tinha tido um acidente vascular cerebral em conseqüência de uma crise hipertensiva, seguramente porque suspendeu a medicação anti-hipertesiva. Este tipo de acidente é muito triste, pois Dona Cida está literalmente fora do seu convívio social, dependendo de terceiros para as mínimas necessidades. É o preço que se paga por acreditar que por não sentir nada se pode suspender a medicação.

Deixo aqui um lembrete: se você tem hipertensão arterial, siga religiosamente as recomendações do seu médico e nunca pare de tomar os remédios por conta própria.

Embora seja ruim ter de tomar remédio durante o resto da vida, na maioria dos casos a hipertensão é facilmente controlada e tratada, prevenindo suas complicações. Além disso, os medicamentos hoje utilizados têm efeito muito potente, com poucos feitos colaterais e também com boa comodidade posológica, ou seja, não há necessidade de se ficar tomando remédios o dia todo. Em muitos pacientes, apenas um tipo de medicamento que receito já é suficiente para se controlar a pressão e fazer com que o paciente tenha uma vida absolutamente normal e livre das complicações da hipertensão arterial.

A Organização Mundial de Saúde estima que haja no mundo cerca de 600 milhões de pessoas com pressão alta e com risco de sofrer infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral ou insuficiência cardíaca. Metade desses portadores de hipertensão arterial desconhece a sua doença.

.: Trecho do livro: Um coração saudável

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.