O acolhimento faz a diferença

O acolhimento aproxima as pessoas e fortalece os laços

O acolhimento é a porta de entrada para a boa convivência

Por graça de Deus e por causa da educação familiar, até mesmo devido as minhas características de personalidade, sinto que sou uma pessoa acolhedora. Fico feliz quando vejo alguém que, por causa da acolhida, consegue abrir o coração e falar de si, iniciar uma conversa. Contudo, não percebo essa característica de acolhimento em todos os meus irmãos de sangue, nem mesmo entre meus amigos. No entanto, no fundo, todas as pessoas gostam de ser bem acolhidas.

Ao percorrermos nosso olhar pelos Evangelhos, veremos o quanto Jesus foi acolhedor. Dentro de casa, pais, filhos, esposos necessitam diariamente acolher uns aos outros. Acolhimento também é atitude de amor. Como seria bom se, ao chegar do trabalho, cansado e com a cabeça cheia de preocupação, o pai ouvissem dos filhos: “Oi, papai! Seja bem-vindo! Como você está? Como foi seu dia? Estava com saudades!” Ou até mesmo, sem palavras, dar-lhe um beijo no rosto. Gestos como esses fecundam o amor entre pais e filhos.

O acolhimento aproxima as pessoas e fortalece laçosFoto: Todor Tsvetkov, 78023165, iStock by getty images

Acolher bem

Se soubéssemos que uma pessoa importante como o Presidente do país ou o Papa viesse visitar nossa casa, com certeza iríamos preparar uma boa comida, um quarto para acolhê-lo. Assim devemos fazer com qualquer pessoa que for visitar nossa casa, pois todo ser humano é criado à imagem e semelhança de Deus. Ao acolhermos uma pessoa, estamos acolhendo o próprio Deus.

Um bilhete com uma mensagem em cima da cama ou escrivaninha pode trazer alegria para qualquer pessoa. Que tal os esposos realizarem essa dica de vez em quando?

É cada vez mais comum entre as famílias o isolamento devido à inclusão da tecnologia, como as redes sociais, e as aplicações de mensagens instantâneas. Outro dia, estava visitando um amigo e conversávamos sobre assuntos da nossa infância, os tempos da escola; de repente, ele pegou seu smartphone e começou a olhar as mensagens. Até então, achei que era algo urgente, e logo ele voltaria a me dar atenção, mas o tempo foi passando e, entre uma conversa e outra, ele olhava o celular e sorria ao ler algo. Aquela atitude foi me incomodando, fez com que eu me sentisse dividido, pois ele não estava nem inteiro na conversa comigo nem com a pessoa que estava falando no dispositivo móvel. Eu senti que não fui bem acolhido. Logo, encerrei a conversa de modo a não lhe desagradar e disse que precisava sair.

Leia mais:
.: Acolhimento, uma forma concreta de amar
.: As dinâmicas da existência humana e espiritual
.: A importância das amizade para o desenvolvimento emocional
.: Como criar um bom diálogo

Por que contei esse fato?

Consciente ou inconsciente, qualquer um de nós pode repetir o mesmo que aquele meu amigo fez. A tecnologia é uma ferramenta boa de comunicação, mas é preciso ter equilíbrio no uso. É possível dedicar um tempo de uma boa conversa olho no olho, e depois ler e responder as mensagens do celular. Fique atento e observe-se para não cometer tal atitude.

O acolhimento é mais que preparar ou fazer algo para a pessoa acolhida. O acolhimento passa pela escuta atenta, pelo olhar, pelo sorriso, o aperto de mão, o abraço aconchegante e apertado, e até por uma ou mais horas de oração.

Façamos o esforço de sermos bons cristãos, de semear a semente do acolhimento em nossas casas e demais ambientes.

“Conserve-se entre vós a caridade fraterna. Não vos esqueçais da hospitalidade, pela qual alguns sem o saberem, hospedaram anjos.” (Hebreus 13,1-2)

Adailton Batista
Membro da Comunidade Canção Nova

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.