Amizade: caminho para Deus

A amizade é o melhor bem humano. Vale mais que as riquezas, o poder, a ciência ou as honras. A amizade é o amor que se tem por uma pessoa em razão dela mesma, do que ela é, independente das vantagens ou desvantagens que ela possa nos proporcionar. Além disso, a amizade é o caminho para chegar a Deus.

Ser amigo é relação e também virtude que consiste na firme vontade de querer e procurar o bem do outro. A amizade acontece quando duas pessoas querem e procuram, reciprocamente, o bem do outro. Para ter amigos, para estabelecer relações de amizade, é necessário, primeiro, adquirir a virtude da amizade.

Hoje, costuma-se usar a palavra amizade somente no que diz respeito às relações que se têm com pessoas que não são da família, mas este é um conceito limitado. O amor da amizade é, pelo contrário, o amor que caracteriza a vida familiar, na qual as pessoas convivem e se amam por si mesmas. A família se constitui a partir da amizade conjugal, porque implica o compromisso recíproco de procurar o bem integral do outro por toda a vida. A vida familiar dá lugar às outras relações de amizade, algumas entre desiguais, como a amizade paterna ou a amizade filial, e outra entre iguais, como a amizade fraternal.

A amizade com pessoas que não são da família tem a mesma essência que a amizade familiar. Os amigos querem e procuram o bem do amigo, a quem consideram valioso por si mesmo, por ser quem são, independentemente de qualquer utilidade ou vantagem que possa proporcionar.


Assista também: “Jovens, sejam bons pastores”, com Dom Antônio Augusto


Quem tem fé em Cristo e sabe que Ele é o amigo por excelência, Aquele que quer e procura o nosso bem mais do que ninguém, mais que nós mesmos. Jesus deu sua vida por todos nós, a fim de que todos possamos alcançar a felicidade eterna. Queira, naturalmente, que seus amigos sejam também amigos de Cristo. Por isso, para um cristão ser amigo implica querer que o outro também seja amigo do Senhor.

Esse é o apostolado da amizade que ensinou São Josemaria Escrivá. Não se trata de ganhar adeptos nem de crescimento de um grupo, muito menos de manipular as pessoas para que sirvam a fins políticos, econômicos ou de qualquer outra natureza. Ser apóstolo, ensinava ele, é ser amigo primeiro de Cristo e, em seguida, de todas as pessoas com quem convive: familiares, amigos da escola, companheiros de trabalho, clientes, fornecedores, vizinhos, sócios e, em geral, qualquer pessoa com quem ele conviva. Àqueles amigos que queremos bem, convidamos e ajudamos para que sejam amigos de Cristo. Se o amigo recusa o convite, a amizade permanece, porque o amigo é querido por si mesmo, mas se aceita o convite, então a amizade se fortalece, porque ambos são amigos do Amigo.

Termino com umas palavras que o Papa Bento XVI dirigiu a um numeroso grupo de jovens, em Roma, durante o Congresso Universitário – UNIV, em abril de 2006: “quem descobriu a Cristo não pode deixar de levar os demais até Ele, uma vez que não é possível guardar para si uma grande alegria sem comunicá-la. Esta é a tarefa a que os chama o Senhor, este é o ‘apostolado da amizade’ que São Josemaria descreve como ‘amizade pessoal’, sacrificada, sincera, de tu a tu, de coração a coração”. Todo cristão está convidado a ser amigo de Deus e, com Sua graça, atrair para Ele seus próprios amigos. O amor apostólico converte-se, deste modo, em uma autêntica paixão que se expressa comunicando aos demais a felicidade que se encontra em Jesus”.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.