Médico do corpo e da alma

A cura da filha da Cananeia mostra como Jesus é, de fato, o médico do corpo e da alma. Ele, que curava todas as enfermidades físicas, também vinha de encontro às doenças espirituais. Ele escutou os brados de uma mãe aflita: “Minha filha está cruelmente atormentada por um demônio” (Mt 15,22). Após testar a humildade e a fé daquela suplicante vemos Sua faustosa resposta: “Seja como tu queres”! E desde esse momento sua filha ficou curada“.

É que Cristo, o Verbo feito carne, é o grande Salvador vindo do céu, poderoso para medicar todos os males humanos. No seu livro “Confissões”, assim se dirigiu Santo Agostinho ao Redentor: “Tu és o médico, eu sou o enfermo; tu és a misericórdia, eu sou a miséria” (X,28,39). Esta figura do Filho de Deus está no coração da teologia agostiniana.

O grande doutor da Igreja focalizava, sobretudo, as curas espirituais das almas feridas pelo pecado ou vexadas pelo demônio, quando Jesus aplicava então Sua terapêutica divina e, com Seu poder, sempre triunfava do inimigo de Deus. E, porém, continua esta ação através dos tempos. Sabe sempre diagnosticar o mal que atinge o homem e lhe oferece o remédio oportuno com uma notável competência celeste. Aliás, o próprio Jesus afirmara: “Não são os que têm boa saúde que precisam de médico, mas os doentes” (Mt 9,12). Muitas vezes, as curas corporais que Cristo operava eram também sinal de um restabelecimento espiritual. Ele olhava a situação psicossomática dos que a Ele recorriam com fé.

Na parábola do Bom Samaritano o Senhor exaltou a misericórdia de alguém devotado aos sofrimentos de um abandonado, semimorto no caminho para Jericó. Era a figura d’Ele mesmo continuamente cheio de amor para com os sofredores.

A Cananeia estava aflita porque sua filha estava atormentada por satanás, que foi então inteiramente expulso daquela que ele amofinava, como, além disso, ocorreu com tantos endemoniados. Em todos estes episódios, Cristo não apenas debelava o mal, mas oferecia o medicamento, ou seja, uma fé profunda. Esta inclui em si a humildade, porque deixa de confiar nos homens e nos recursos naturais, para unicamente depositar n’Ele a certeza de que Ele é, realmente, o Senhor Todo-poderoso, que pode restaurar o ser racional na sua total integridade. Não há situação desesperadora, feridas profundas que Ele não possa definitivamente medicinar. Será, contudo, pelo espelho da fé que Sua ação se irradia naquele que vem implorar Seu olhar clínico. Ele se fez Homem para que todos os humanos, que são carnais, pudessem perceber ao vivo Sua divindade onipotente. Deste modo, se compreende melhor a dupla dimensão da Encarnação e da Redenção.

Se Ele se fez carne e habitou entre nós foi para se adaptar à humanidade sofredora que viera remir. Demonstrou, porém, toda Sua incontestável competência de médico do corpo e da alma e disso deve resultar uma confiança irremovível n’Ele, uma esperança inalterável. São ambas os antídotos prescritos, mesmo porque não basta consultar um grande especialista, mas cumpre tomar rigorosamente os remédios. Entretanto, grande diferença entre Cristo e os demais médicos é que Ele leva a quem Ele cura a participar de Sua natureza divina, incorruptível, vitoriosa do mal dos males, que é a morte. Pôde, com efeito, afirmar: “Quem crê em mim tem a vida eterna” (Jo 6,47). Isso porque Ele transfunde Sua santidade, Sua justiça para o corpo e para a alma daquele que crê ser Ele verdadeiramente o Filho de Deus, que veio para que todos tivessem a vida e a tivessem em abundância (cf. Jo 10,10), como acontecia com a Cananeia, a clamar: “Senhor, socorre-me“. Se ela julgasse que Ele era um simples homem não teria lançado apelo tão significativo. Para que se obtenha, porém, o socorro de qualquer médico é preciso estar consciente da gravidade do mal e desejar a saúde, insistir, lutar, pedir. Eis porque o mesmo Cristo advertiu: “Pedi e recebereis, buscai e encontrareis, batei e a porta se vos abrirá” (Mt 7,7).

A Cananeia havia irritado de maneira tal os discípulos que eles tinham dito ao Mestre: “Manda embora essa mulher, pois ela vem gritando atrás de nós“. Ela, porém, foi persistente e, até, argumentou com Jesus, usando os próprios termos por Ele usados: “Até os cachorrinhos também comem as migalhas que caem da mesa de seus donos“, demonstrando não só uma profunda humildade, mas, sobretudo, a vontade firme de obter a cura da filha. Muitas vezes, Deus tarda um pouco a responder, mas se trata de um método pedagógico e tende a educar a pessoa a reconhecer a profundidade do mal e a aumentar a fé no Seu poder. Eis porque, antes de proclamar a cura da filha da Cananeia, Ele a elogiou: “Mulher, grande é a tua fé!”

Nunca se deve esquecer que o tempo de Deus não é o tempo dos homens e que Jesus, o Médico divino, jamais falha e se deixa tocar sempre pelos que n’Ele inteiramente confiam.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.