Nasceu da Virgem Maria

“Na plenitude dos tempos, Deus enviou Seu Filho ao mundo, que nasceu de uma mulher…” (Gl 4,4). No tempo determinado por Deus, no auge do Império Romano, o maior que a humanidade já conheceu, no reinado de Otávio Augusto (30 aC – 14dC),  o Filho Único do Pai, a Palavra Eterna, o Verbo, a Imagem substancial do Pai encarnou-se no seio da Virgem Maria sem perder a natureza divina, assumindo a natureza humana. A Igreja ensina que Jesus foi concebido por obra e graça do Espírito Santo no seio da Virgem Maria, pois isso foi revelado por Deus.

“O anjo disse-lhe: Não temas, Maria, pois encontraste graça diante de Deus. Eis que conceberás e darás à luz um filho e lhe porás o nome de Jesus. Ele será grande e chamar-se-á Filho do Altíssimo… O Espírito Santo descerá sobre ti, e a força do Altíssimo te envolverá com a sua sombra. Por isso o ente santo que nascer de ti será chamado Filho de Deus” (Lc 1,30-35).

Deus escolheu a Virgem Maria para ser a mãe de Seu Filho. “Cheia de graça”, a Imaculada é “o fruto mais excelente da Redenção”. Desde o primeiro instante de sua concepção, ela foi preservada do pecado original e permaneceu pura de todo pecado pessoal ao longo de toda a sua vida (cf. §508). Esse dogma de fé foi proclamado, solenemente, pelo Papa Pio IX, em 1854, pela Bula Pontifícia “Inefabilis Deus”. Ela é, verdadeiramente, a mãe de Deus, a mãe do Filho Eterno de Deus feito homem.

Maria “permaneceu Virgem concebendo seu Filho, ao dá-lo à luz, ao carregá-lo. Virgem ao alimentá-lo de seu seio, virgem sempre, a serva do Senhor” (Lc 1,38). No “Credo do Povo de Deus”, Paulo VI disse: “Cremos que Maria Santíssima, que permaneceu sempre Virgem, tornou-se Mãe do Verbo Encarnado, nosso Deus e Salvador, Jesus Cristo; e que por motivo desta eleição singular, em consideração dos méritos de seu Filho, foi remida de modo mais sublime, e preservada imune de toda a mancha do pecado original; e que supera de longe todas as demais criaturas, pelo dom de uma graça insigne”(n. 14).

E Paulo VI confirma que Nossa Senhora foi elevada ao céu de corpo e alma, dogma da assunção, proclamado, solenemente, pelo Papa Pio XII, em 1950, pela Bula Pontifícia “Munificientíssimus Deus”.

“Associada por um vínculo estreito e indissolúvel aos mistérios da Encarnação e da Redenção, a Santíssima Virgem Maria, Imaculada, depois de terminar o curso de sua vida terrestre, foi elevada em corpo e alma à glória celestial; e, tornada semelhante a seu Filho, que ressuscitou dentre os mortos, participou antecipadamente da sorte de todos os justos. Cremos que a Santíssima Mãe de Deus, nova Eva, Mãe da Igreja, continua no céu a desempenhar seu ofício materno, em relação aos membros de Cristo, cooperando para gerar e desenvolver a vida divina em cada uma das almas dos homens que foram remidos” (n. 15).


Assista também: ” Quem é Maria?”, com professor Felipe Aquino



Para salvar a humanidade, Jesus precisava ser Deus e Homem ao mesmo tempo, para poder ser o mediador entre Deus e os homens e poder oferecer à Justiça Divina uma reparação humana, mas de valor infinito, que só o Senhor pode oferecer. A Carta aos Hebreus diz que: “por isso convinha que ele se tornasse em tudo semelhante aos seus irmãos, para ser um pontífice compassivo e fiel no serviço de Deus, capaz de expiar os pecados do povo” (Hb 2,17).

A Igreja ensina que Jesus Cristo é “verdadeiro Deus” e “verdadeiro homem”, na unidade de Sua Pessoa Divina: por isso Ele é “o único mediador entre Deus e os homens” (1Tm 2,4). A Pessoa de Jesus é divina, mas Ele possui duas naturezas: a divina e a humana, não confundidas, mas unidas na única Pessoa do Filho de Deus. Cristo tem inteligência e vontade humanas, perfeitamente concordantes e submetidas à sua inteligência e à sua vontade divinas que tem em comum com o Pai e o Espírito Santo.

A Igreja teve de enfrentar várias heresias que negavam a humanidade plena de Jesus ou a sua divindade. Houve a heresia chamada “monarquianismo” (dinamista e modalista), a qual defendia Jesus como sendo um mero homem que, no momento do batismo, foi revestido de poder (dynamis) divino. Jesus era, portanto, considerado um “homem especial adotado por Deus como Filho”. O mentor desta heresia foi Teódoto de Bizâncio, que o Papa São Vítor (189-199) excomungou em 190. O bispo Paulo de Samósata, homem ambicioso, apoiou essa heresia no século III.

O monarquianismo modalista ensinava que o Filho era o próprio Pai ou “o modo pelo qual o Pai se manifestava”; assim, o Pai teria padecido na cruz. O Papa Zeferino (198-217) afirmou a Divindade de Cristo e a unidade de essência em Deus sem negar a diversidade de pessoas do Pai e do Filho. O Papa Calisto (217-222) também combateu a heresia. O modalismo foi sistematizado pelo sacerdote Sabélio, em Roma, e estendido ao Espírito Santo. O modalismo não via nas Pessoas Divinas senão “modos” de ação de um só Deus; não pessoas reais individualizadas. A teoria de Sabélio foi combatida em Roma também por Santo Hipólito.

Em 325, o Concílio Universal de Nicéia, o primeiro da Igreja, condenou a terrível heresia chamada arianismo, de Ário, um sacerdote de Alexandria, no Egito. Ele ensinava que Jesus não era Deus, mas a mais bela criatura de Deus, por meio de quem o Pai teria criado todas as coisas. Foi uma heresia que deu muito trabalho à Igreja, porque alguns imperadores romanos cristãos se tornaram hereges e protegeram esta heresia (Constâncio II, Valente). No ano 431, no Concílio de Éfeso, a Igreja condenou a heresia de Nestório, Patriarca de Constantinopla, pois este ensinava que em Jesus há duas pessoas, e que Maria não era mãe de Deus, apenas mão do homem Jesus. O Concílio de Éfeso disse que Maria é “Theotókos” (Mãe de Deus).

Outra heresia foi o “apolinarismo’, de Apolinário de Laodicéia. Ele negava que Jesus tivesse alma humana, condenada pela Igreja; outra foi o monofisismo de Êutiques, um monge de Constantinopla que negava a natureza humana de Jesus; condenada pela Igreja no Concílio Ecumênico de Calcedônia, em 451, pelo Papa Leão Magno. Outra foi o “monoteletismo” de Sérgio, patriarca de Constantinopla; ele negava que Jesus tivesse uma vontade humana; condenada pelo Concílio de Constantinopla III, em 680. E outras menos importantes.

Se Jesus não fosse perfeitamente homem e perfeitamente Deus, não poderia ser o Redentor da humanidade; essa era a questão chave que a Igreja defendia e defende.

 
Este é o terceiro artigo de uma série de outros doze, explicando, resumidamente, cada um dos artigos do ‘Credo’.


Felipe Aquino

Professor Felipe Aquino é viuvo, pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova. Página do professor: www.cleofas.com.br Twitter: @pfelipeaquino

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.