Reavivar o dom de Deus

O combate pela coroa da salvação

Estamos num tempo em que um Cristianismo de aparência não suportará o duro combate

Na Segunda Carta de São Paulo a Timóteo, nós encontramos esta exortação, que se apresenta profundamente pessoal e vivaz: o soldado de Cristo combate pela coroa da Salvação (cf. II Tm 1, 6-14).

Paulo oferece o seu exemplo, recordando o seu ministério e preparando-se para o martírio. É um verdadeiro alerta perante a realidade dos falsos mestres que aumentaram e se fortaleceram nos últimos dias, por meio do qual o responsável da comunidade, como também aqueles que dela fazem parte, devem agir como um soldado, lavrador, operário, servo fiel, ou seja, como uma testemunha corajosa. Não devem temer o fortalecimento dos maus, pois sua derrota será inevitável.

Essa carta é para nós atual e significativa, pois também nós vivemos situações em que o cerco se fecha e as perseguições se acentuam. Vivemos num tempo de hostilidades e perseguições, no qual a fé sofre ataques. Portanto, diante desse contexto, surge a pergunta: nossa vida de fé nos prepara para a provação ou para a derrota? Creio que devamos nos rever, com sinceridade e verdade, em vista do arrependimento e da conversão.

1600x1200-O-combate-pela-coroa-da-salvação

Foto: Wesley Almeida / cancaonova.com

O soldado de Nosso Senhor Jesus Cristo, mesmo no sofrimento e na prisão, não deixa de ser um evangelizador e anunciador, pois o Evangelho de Cristo não se deixa acorrentar, difunde-se, espalha-se pela força da graça divina. Este constitui o testemunho da própria vida do apóstolo Paulo. Vida que aqui encoraja Timóteo com o seu testemunho, deixando-lhe um verdadeiro testamento de fidelidade e perseverança diante das provações. E o apóstolo dos gentios o motiva não com uma teoria vazia, mas com seu testemunho de vida. Testemunho de quem sofre com Cristo como prisioneiro, por isso, tal testamento possui para nós uma atualidade tremenda, é ponto de referência segura. É preciso, sem dúvida, permanecer fiel à sã doutrina apostólica resistindo às provações, como soldado de Cristo.

Este texto nos exorta a reavivar o dom de Deus, que é um espírito de força, amor e sabedoria, para enfrentarmos, com coragem, o testemunho e os sofrimentos por causa de Cristo e do Evangelho. É o Espírito Santo que forja essa têmpera em nós, para que sejamos capazes de uma caminhada cristã fiel na doutrina e na prática, ou seja, fé e vida em íntima comunhão. A ordem é para não se acovardar. A fé precisa ser constantemente alimentada, para que se torne certeza e esperança; não fraqueza e covardia, pois se nossa existência tornar-se covarde, sem dúvida, “a ousadia dos maus vencerá a covardia dos bons”. Estamos num tempo em que um Cristianismo de aparência não suportará a dura luta. Portanto, que tipo de cristão você é?

O Espírito de força revela-se como o oposto do medo e da preguiça, e aponta para a necessidade de um testemunho corajoso e perseverante. Eis a fonte inesgotável que sustenta e motiva a fé e o testemunho cristão: a graça eficaz, gratuita e salvífica de Deus, revelada em Jesus Cristo e contida na Boa Nova do Evangelho. Se a Palavra de Redenção não é assimilada no profundo da alma, ela não se torna anúncio de vivência, o ouvinte distraído e superficial não evangeliza, fala de algo que está fora da sua vida!

Somente pelos méritos de Cristo, que salva a humanidade, torna-se possível a fidelidade e a perseverança nesse vale de lágrimas. Paulo quer mostrar a Timóteo que Espírito Santo agirá dando tal testemunho. Também em nós este mesmo Espírito age para que o anúncio seja autêntico e firmado no depósito da fé. Paulo foi constituído, portanto, como pregador, apóstolo e mestre, que sofre sim, contudo, com uma coragem inabalável, confiante na força de Deus que o sustenta. Por isso, o apóstolo não se apresenta como modelo somente para Timóteo, mas também para cada um de nós. Modelo de fidelidade e perseverança cristã, garantida pela força do Espírito Santo, que atua constantemente na humanidade.

Deixemos que o Espírito Santo seja o mestre a formar em nós a têmpera necessária para enfrentarmos as provações da vida. Que o Senhor nos conceda a fé e a têmpera dos mártires neste tempo em que o testemunho é tão urgente e necessário!

Com minha bênção sacerdotal,

Padre Eliano Luiz Gonçalves – Diocese de Lorena (SP)

Leia mais:
.: Combate espiritual existe?
.: O que é combate espiritual?
.: São Miguel Arcanjo, defendei-nos no combate

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.