Evangelização e diálogo

O servo de Deus Papa Paulo VI, de saudosa memória, ofereceu à Igreja, no ano de 1975, a Exortação Apostólica Evangelii Nuntiandi, a respeito da evangelização no mundo contemporâneo. Quando muitos se perguntavam, por influência de correntes de pensamento já dominantes naquele período, a respeito do lugar da religião e da Igreja, esta se redescobriu na missão evangelizadora. A palavra do Papa fez os cristãos deixarem de olhar para o espelho, mirando seus próprios defeitos ou qualidades, para se voltarem para frente e para o alto, descobrindo que cada geração tem a mesma responsabilidade de anunciar o nome de Jesus Cristo.

Ainda no Antigo Testamento, um profeta chamado Jonas (cf. Jn 1,1-3,10) recebeu de Deus a difícil tarefa de anunciar a conversão. Sua primeira reação foi a fuga, pois lhe parecia muito complicado enfrentar Nínive que “era uma cidade fabulosamente grande, do tamanho de uma caminhada de três dias” (Jn 3,3). Depois de um naufrágio e a aventura “no ventre do peixe”, aceita pregar ao povo de Nínive. Se Deus queria que anunciasse a conversão, o profeta anuncia destruição. E o povo entende conversão! O resultado foi uma grande tristeza para o profeta: “Jonas ficou, então, muito amargurado e irritado. E assim orou ao Senhor: “Ah, Senhor! Não era isso mesmo o que eu dizia quando estava na minha terra? Foi por isso que eu corri, tentando fugir para Társis, pois eu sabia que és um Deus bondoso demais, sentimental, lerdo para ficar com raiva, de muita misericórdia e tolerante com a injustiça” (Jn 4,1-2).

Até hoje a intolerância encontra guarida em muitos corações. Correm pelo mundo pressões sobre a Igreja, reações negativas às iniciativas de diálogo e partilha com quem pensa diferente, como se não tivesse acontecido a revelação de Jesus Cristo, Verbo de Deus encarnado. Deus teve muita paciência com o povo antigo, cujos ideais e métodos muitas vezes incluíram levar à perdição os inimigos. O Senhor Jesus nos convidou a dar a outra face, quando se recebe um golpe, andar dois mil passos a mais com alguém e dar a capa a quem tirar o manto. A experiência vivida por Jonas é anunciadora de métodos novos e verdadeiramente revolucionários. Trata-se da revolução do Evangelho.

Depois da prisão de João Batista, Jesus iniciou a pregação do Evangelho. Seu convite é provocante: “O tempo já se completou e o Reino de Deus está próximo. Convertei-vos e crede no Evangelho” (Mc 1,14-20). Converter-se é mudar de mentalidade, enxergar a realidade a partir de um ângulo diferente. Os primeiros discípulos chamados por Jesus e os de todos os tempos, nos quais estamos contemplados, deverão seguir Jesus, aprender com seus gestos, acolher junto com ele os fracos e pecadores, para chegarem a reconhecê-lo como Filho de Deus.

Os desafios à evangelização em nosso tempo são muito grandes, mas o Espírito Santo, como sempre fez, conduz a Igreja de Cristo, servidora do Evangelho, anunciadora da salvação. A Igreja Católica no Brasil identificou algumas exigências para exercer a tarefa evangelizadora (cf. Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil 134-15). O serviço, que se concretiza especialmente na dimensão sócio-transformadora, com toda a presença histórica da Igreja, na atenção aos pobres e na promoção humana. Valem todos os esforços dos cristãos e das instituições ligadas à Igreja para concretizar a caridade. Isso é evangelização. 

Outro passo é o diálogo, que se concretiza na dimensão ecumênica e do diálogo religioso, assim como no relacionamento respeitoso e construtivo com todas as forças da sociedade civil. E no coração da missão evangelizadora se encontra a exigência do anúncio explícito do nome de Jesus Cristo, que se concretiza na dimensão missionária, através da qual os cristãos hão de chegar até os confins da terra. É a razão de ser da Igreja. Enfim, o testemunho da comunhão, que se concretiza na dimensão comunitário-participativa, a vida das comunidades de Igreja, o relacionamento entre as pessoas de fé, realizando a palavra de Jesus: “Que todos sejam um, para que o mundo creia” (Jo 17,21).

Por onde começar? Segundo as situações e ambientes, a evangelização pode se iniciar com o diálogo ou o serviço silencioso da caridade. Outras pessoas sentir-se-ão atraídas por uma comunidade viva, na qual todos se amam. A pregação explícita do Evangelho pode ser para muitos o primeiro passo. Vale a pena perguntar-nos sobre o caminho que o Espírito Santo usou conosco!

A Igreja não tem medo dos desafios, porque sabe que é acompanhada pelo Espírito Santo de Deus, penhor das promessas de Jesus. Para continuar sua peregrinação evangelizadora, pede ao Pai do Céu: “Dirigi a nossa vida segundo o vosso amor, para que possamos, em nome do vosso Filho, frutificar em boas obras”. A melhor delas é que a luz do Evangelho chegue a todos os homens e mulheres de nosso tempo!

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.