Compreenda:

Davi, o corajoso!

Duvido! Você não teria coragem

Davi, o corajosoQuando eu era criança e queria com outros meninos incentivar um amigo a fazer coisas inacreditáveis, usávamos sempre essa frase: “Duvido! Você não teria coragem”.

Como isso incentiva um jovem a fazer certas coisas que nunca faria por decisão própria! Muitas vezes, vivíamos diversas aventuras, porque alguém resolveu provar que ‘sim’, tinha coragem. O fato é que a coragem é própria do ser humano, de maneira especial do homem que, para não ser visto como covarde, é capaz de tomar decisões inconsequentes.

A virtude de ser corajoso não é uma característica exclusiva dos dias atuais. Conhecendo bem a Bíblia, percebemos que a coragem diz do homem que se relaciona com Deus. Há vários momentos em que é o próprio Senhor quem busca despertar em seus escolhidos o dom de ser “forte e corajoso” (conf. Dt 31,6). Podemos encontrar, na Bíblia, 82 vezes a palavra “coragem”, todas elas envolvendo um contexto de ordem de Deus.

Quando lemos sobre a vida de Davi, constatamos o quão forte e corajoso ele era. A Bíblia narra vários fatos que demonstram a coragem de Davi. Mas precisamos observar que não é uma virtude que surge da noite para o dia, até ser Rei de Israel e um valente guerreiro ele foi treinado por Deus, durante sua vida, para que essa característica fosse se desenvolvendo e se tornando nele um valor. Podemos confirmar isso quando o vemos prestes a desafiar o gigante Golias. O Rei Saul lhe diz: “Não és capaz de enfrentar esse filisteu. Tu és ainda um menino, e ele, um homem de guerra desde a sua juventude”. Davi prontamente lhe responde que cuidando do rebanho de seu pai, quando um leão ou um urso tomava um carneiro do rebanho ele os perseguia e matava, tirando-lhes a presa da boca (Conf. I Sm 17, 33 – 34). Deste modo podemos compreender que a coragem de Davi é uma qualidade desenvolvida pelas provas que foi enfrentando ao longo de sua vida.

Deus se utiliza de cada situação que vivemos para forjar o nosso caráter, e assim como com Davi, Deus quer usar de fatos do nosso dia a dia para firmar em nós virtudes que nos ajudarão na caminhada. Antes de tudo é preciso compreender que a verdadeira coragem não está ligada apenas a enfrentar gigantes, ursos ou exércitos. Depois podemos notar que há dois principais traços fortes em um homem verdadeiramente corajoso: a confiança em Deus e a capacidade de ser o que é.

Após a morte de Saul, Davi está refugiado com seus companheiros. Saul era o único empecilho para que Ele assumisse o reino, e agora morto já não poderá atrapalhar mais. Assim, ao saber da morte de Saul Davi poderia voltar tranquilo e assumir o reinado, mas antes de qualquer coisa Davi consulta o Senhor para tomar a decisão correta. Neste acontecimento vemos o primeiro traço marcante da verdadeira coragem: A confiança em Deus. “Depois disso, Davi consultou o Senhor: Devo subir a alguma das cidades de Judá?, perguntou ele. Vai, respondeu o Senhor. Davi retomou: Aonde irei? A Hebron” (II Sm 2, 1). Queremos resolver do nosso jeito, ir na direção que pensamos ser a melhor, porém é preciso, a exemplo de Davi, estar alicerçado em uma grande confiança em Deus para compreendermos que Ele tem o melhor para nós.

O segundo traço de um homem corajoso: não muda o que é para agradar as pessoas. Davi tem a coragem de ser o que é, mesmo quando criticado. “Micol, filha de Saul, veio-lhe ao encontro e disse-lhe: Como se distinguiu hoje o rei de Israel, dando-se em espetáculo às servas de seus servos, e descobrindo-se sem pudor, como qualquer um do povo! Foi diante do Senhor que dancei, replicou Davi; diante do Senhor que me escolheu e me preferiu a teu pai e a toda a tua família, para fazer-me o chefe de seu povo de Israel. Foi diante do Senhor que dancei. E me abaixarei ainda mais, e me aviltarei aos teus olhos, mas serei honrado pelas escravas de que falaste” II Sm 6, 20 – 23. Quantas vezes queremos agradar as pessoas assumindo o que eles pensam sobre nós e assim não vivemos a nossa verdade e nos tornamos um resultado da expectativa que o outro coloca sobre nós. É certo que devemos ouvir a opinião das pessoas que nos amam e querem nos ajudar, porém, há primeiro que mirar o que o Senhor pensa sobre nós, afinal “temos buscado a aprovação dos homens ou a de Deus?” (Conf. Gl 1, 10). É ao Senhor que devemos agradar!

Davi não tinha como prioridade o que os outros diziam, para ele o mais importante é o que o Senhor pensava a seu respeito. Não podemos permitir que as pessoas nos roubem de nós mesmos. E só o Espirito Santo nos dá a liberdade para sermos verdadeiramente quem somos.

Peçamos que Deus nos dê a graça de aproveitarmos cada situação que vivemos para que assim o Senhor construa em nosso caráter a riqueza da verdadeira coragem como forjou em Davi. Fazendo com que cresça em nós a confiança e a firme decisão de seguirmos a inspirações Dele para que não nos tornemos um resultado do que as pessoas pensam e pedem de nós.

Veja também:
:: Davi, humilde e escolhido


Paulo Pereira

José Paulo Neves Pereira nasceu em Nossa Senhora do Livramento (BA). Missionário da Comunidade Canção Nova, ele atua como gerente no setor de Conteúdo da TV Canção Nova.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.