Dicionário da alma

Conheça o poder de suas palavras

Palavras podem nos devolver a paz ou nos roubar o direito da felicidade

Nem sempre é fácil fazer da palavra um bálsamo que cure as feridas e as marcas de um tempo de dores e sofrimentos. Muitas palavras chegam como tempestades arrancando a paz da alma. Outras chegam como uma brisa serena, refrescando o calor das emoções que esperam o momento crucial para explodir em momentos de raiva.

Conheça o poder de suas palavras

Jesus fez da palavra uma maneira humana de devolver a vida aos territórios da alma que se encontravam secos e sem esperança. Nas Palavras de Cristo, há a chance de recomeçar e a alegria das possibilidades escondidas no recomeço que dependia da acolhida de cada ouvinte. No vocabulário da vida, cada pessoa encontrava o direito de trilhar outros contextos de uma história que poderia ser reescrita com as marcas de um novo tempo.

Ao longo do dia, pronunciamos uma infinidade de palavras. Algumas nascem de nossas revoltas e contradições; outras já estavam guardadas no baú de nossas maldades, esperando somente o momento de desferirem o golpe fatal que deixaria marcas eternas na alma de alguém. O dicionário da alma pode produzir frutos de amor ou destruir canteiros de sonhos.

Quando o filho pródigo retornou para a casa do pai em busca de acolhimento, encontrou palavras de amor. O pai não lhe pediu explicações, pois ao olhar para o filho, já sabia que sua vida tinha se tornado uma tristeza. Não era preciso palavras naquele momento, apenas o olhar amoroso já expressava o que era necessário.

Em muitos momentos, perdoamos a quem nos ofendeu. No entanto, precisamos, antes, apresentar uma lista dos erros de quem nos magoou. O perdão é concedido mediante a lembrança de um passado que não deu certo. Antes do perdão surgem as palavras que fazem a ferida da alma sangrar com mais força.

Diante do pecado da mulher flagrada em adultério, Jesus não pediu explicações. Perdoou e incentivou-a a não pecar novamente. O perdão foi concedido sem uma carta de acusações. A palavra de ternura a libertou dos erros passados e ela teve a oportunidade de recomeçar a sua história a partir de novos parágrafos de esperança.

Nossas palavras somente serão um bálsamo quando o vocabulário de nossa alma tiver a ternura da misericórdia do amor de Deus. Quem faz das palavras uma arma para ferir o próximo cria dentro do seu próprio coração um campo de batalhas que aos poucos vai exterminando a si mesmo.

 


Padre Flávio Sobreiro

Bacharel em Filosofia pela PUCCAMP e Teólogo pela Faculdade Católica de Pouso Alegre (MG), padre Flávio Sobreiro é vigário paroquial da Paróquia Nossa Senhora de Fátima, em Santa Rita do Sapucaí (MG), e padre da Arquidiocese de Pouso Alegre (MG). É autor do livro “Amor Sem Fronteiras” pela Editora Canção Nova. Para saber mais sobre o sacerdote e acompanhar outras reflexões, acesse: facebook.com/peflaviosobreiro

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.