Ciência sem limite

O homem estaria brincando de Deus?

Fala-se muito, hoje, sobre a ciência sem limites. Será mesmo a ciência ilimitada?

No livro do Gênesis, vemos a história do início da criação. O autor sagrado diz que Deus tomou o homem e o colocou no jardim de Éden, para o cultivar e guardar. Porém, o Senhor Deus deu-lhe uma ordem, dizendo: “Podes comer de todas as árvores do jardim. Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não deves comer, porque, no dia em que dele comeres, com certeza morrerás” (cf. Gn 2,16-17).

Como já sabemos, o resultado foi trágico, infelizmente os nossos primeiros pais, Adão e Eva, comeram do fruto proibido e acabaram pecando.

O homem estaria brincando de Deus - 1600x1200

Foto: Daniel Mafra / cancaonova.com

O autor sagrado chama à atenção para um detalhe que faz toda a diferença. O homem foi autorizado a comer de todas as árvores, com exceção de uma: a do conhecimento do bem e do mal. Uma verdade retirada deste texto é que, apesar de o homem ter o domínio sobre os seres vivos e tudo que compõe a natureza, ele não é o dono. Isso implica dizer que, apesar de seu “poder”, este tem limites.

Em relação à ciência, o que temos visto é exatamente isso: o homem se acha conhecedor do bem e do mal, a ponto de pensar e agir como se fosse Deus. Fala-se muito da ciência sem limites, mas será mesmo a ciência ilimitada? Vale a pena refletir sobre essa pergunta e respondê-la coerentemente.

O grande pesquisador e professor norte-americano da área de oncologia, Van Rensselaer Potter, com sua célebre frase resume bem essa realidade. Diz ele: “Nem tudo que é cientificamente possível é eticamente aceitável”. A clonagem, criação de células reprodutivas, e tantas outras coisas, por exemplo, hoje é cientificamente possível, porém, no campo moral é inadmissível.

O homem, a todo momento, é tentado, como na narração do Gênesis, a querer ser como Deus. “Deus bem sabe que, no dia em que dele comerdes, vossos olhos se abrirão, e sereis como deuses, conhecedores do bem e do mal” (cf. Gn 3,5), disse a serpente a Adão e Eva. Aqui está o pecado das origens: o homem se colocou sem limite, fruto do orgulho e da presunção.

Parece loucura, mas é real!

Toda pessoa é fruto da junção entre o espermatozoide do pai com o óvulo da mãe, seja de maneira natural, artificial ou fecundação in vitro. A ciência moderna tem trabalhado para mudar essa realidade. Pesquisas realizadas no Japão, na universidade de Kyoto, afirmam que no futuro será possível desenvolver no laboratório células reprodutoras masculina e feminina do sexo oposto, isto é, criar espermatozoide de mulheres e óvulos de homens. Parece, no primeiro momento, loucura, porém, é real.

Esse tipo de experimento foi feito em camundongo, porém, pensa-se em fazer também em seres humanos. Se isso vier a acontecer, “pares” gays poderão ter filhos com 100% de seu material genético, isto é, filhos biológicos dos dois. No caso de dois homens, um fornecerá o espermatozoide, que já lhe é próprio, enquanto o segundo doará o óvulo criado no laboratório. No caso de duas mulheres, será o contrário: de uma delas será criado o espermatozoide fecundando no óvulo que lhe é próprio. O resultado será um filho biológico, mesmo sendo do mesmo sexo.

Essa pesquisa tem se propagado em outros países, inclusive no Brasil. A New Scientist, revista sobre ciência de periodicidade semanal, que noticia os desenvolvimentos mais recentes das áreas científica e tecnológica, noticiou recentemente que este tipo de experimento tem sido desenvolvido por cientistas brasileiros no Instituto Butantan, em São Paulo.

Leia mais:
.: A pré-seleção e a escolha do sexo dos filhos
.: Ciência: evolução ou retrocesso?
.: Deus é responsável por nascer crianças com deficiências?

O homem é mortal, afirmação simples, mas já não é mais aceita, pelo menos para Dmitry Itskov. Pensa-se na imortalidade, o homem deve viver eternamente aqui na Terra. Março de 2016, vários sites publicaram o projeto desse bilionário russo Dmitry Itskov em ser imortal. Ele ficou conhecido por sua frase: “Nos próximos 30 anos, farei com que todos nós possamos viver para sempre”. Ele tem como objetivo transferir mentes humanas para um computador. Ele prometeu dedicar seu tempo e sua fortuna para que esse projeto seja executado.

Teria muitos outros exemplos de coisas absurdas no campo da ciência para citar, mas esses dois são suficientes para explanar a tentativa de o homem ser como Deus. Já não se respeita a naturalidade da pessoa ser gerada na relação sexual amorosa de seus pais. Em vez disso, cria-se os gametas reprodutores no laboratório, fecunda no laboratório e implanta em úteros.

O homem estaria brincando de Deus?


Elenildo Pereira

Candidato às Ordens Sacras na Comunidade Canção Nova. Licenciado em Filosofia pela Faculdade Canção Nova, Cachoeira Paulista (SP).  Bacharelando em Teologia pela Faculdade Dehoniana, Taubaté (SP) e pós-graduando em Bioética pela Faculdade Canção Nova. Atua no Departamento de TV da Canção Nova, no Santuário Pai das Misericórdias e Confessionários.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.