Católico pode ir a motel?

O casal cristão não precisa de estripulias para viver uma vida sexual harmoniosa

Com os problemas do dia a dia, o corre-corre para dar conta do trabalho, dos filhos e do lar, muitas vezes os casais acabam se deixando um pouco de lado. É normal que muitos busquem maneiras de fazer com que o relacionamento saia da “rotina”; em certos casos, isso é bom. No entanto, é preciso que os casais católicos tenham certo “filtro”, tenham discernimento ao escolher uma maneira de alcançar o resultado que desejam.

Católico pode ir a MotelFoto: DNY59, 15551432, iStock by getty images

Alguns preferem jantar fora, outros deixam os filhos um fim de semana com os avós e vão viajar ou ainda saem a sós, para um simples passeio. Enfim, existem muitas maneiras de fazer “algo diferente” com seu cônjuge. Cada casal deve buscar em sua realidade o que é melhor para os dois. Com isso, muitos se perguntam se casais católicos podem ir a motéis. Vou lhe dar minha opinião.

Leia mais:

:: Vida sexual no casamento, será que vale tudo?
:: As cinco fases do ato conjugal
:: O sexo nos planos de Deus
:: O sexo e a fidelidade conjugal

Sinceramente, não aconselharia um casal católico a ir a um motel. Podemos dizer que o motel, no Brasil, não é como nos EUA, por exemplo, um simples hotel de beira de estrada, onde as famílias pernoitam para continuar uma viagem. De modo diferente, embora muitos trabalhadores ainda utilizem o motel para pernoitar, sabemos também que a maioria de seus frequentadores usam desse espaço para a prática da fornicação ou para viver o adultério. Sabemos que ambas as práticas configuram pecados graves: “Não cometerás adultério” (Ex 20,14); ou como mostra o Catecismo da Igreja Católica (CIC):

“O adultério. Essa palavra designa a infidelidade conjugal. Quando dois parceiros, dos quais ao menos um é casado, estabelecem entre si uma relação sexual, mesmo efêmera, cometem adultério. Cristo condena o adultério mesmo de simples desejo. O sexto mandamento e o Novo Testamento proscrevem absolutamente o adultério. Os profetas denunciam sua gravidade. Veem no adultério a figura do pecado de idolatria” (CIC n.2380).

“O adultério é uma injustiça. Quem o comete falta com seus compromissos, fere o sinal da aliança, que é vínculo matrimonial; lesa o direito do outro cônjuge e prejudica a instituição do casamento, violando o contrato que o fundamenta. Compromete o bem da geração humana e dos filhos, que têm necessidade da união estável dos pais” (n.2381).

O Catecismo da Igreja, quando fala dos graves pecados contra a castidade, diz: “Entre os pecados gravemente contrários à castidade é preciso citar a masturbação, a fornicação, a pornografia e as práticas homossexuais” (n. 2396).

Ora, se o motel é um lugar onde esses pecados podem ser cometidos abundantemente, como, então, um católico deveria frequentá-lo? Não vejo o menor sentindo nem necessidade. Você levaria sua esposa, por exemplo, para jantar em um restaurante onde você sabe que é sujo e contaminado por bactérias? Claro que não! Você a respeita e cuida de sua saúde física.

Não há como negar que a maioria dos motéis são usados também para a prostituição, um pecado grave: “A prostituição é um atentado contra a dignidade da pessoa que se prostitui, reduzida ao prazer venéreo que dela se tira. Quem paga, peca gravemente contra si mesmo: quebra a castidade a que o obriga o seu Baptismo e mancha o seu corpo, que é templo do Espírito Santo (102). A prostituição constitui um flagelo social” (n.2355).

É o amor que gera a união corporal

Cada um de nós precisa cuidar também da sua saúde espiritual. Quando se entra numa igreja, sua alma é envolvida pelo sagrado. Quando você entra num local de pecado, ela é envolvida pela iniquidade e imoralidade. São Paulo recomenda: “Não deis ocasião ao demônio” (Ef 4,27).

shopping (1)

O casal cristão não precisa de estripulias para viver uma vida sexual harmoniosa; não precisa de “Kama Sutra” nem de “não sei quantos tons de cinza”, vermelho ou roxo. Ele precisa de amor e fidelidade recíproca, de carinho mútuo, atenção um com ou outro. Essa é a melhor preparação para uma boa vida sexual. Ele pode experimentar plenamente o segredo da felicidade sexual no prazer e na alegria, porque sabe combinar na cama, harmoniosamente, o corpo e a alma, o humano com o divino. Sem isso não adiantam hormônios, estimulantes sexuais, técnicas exóticas, bebidas, músicas, danças, sofisticações eróticas nem posições acrobáticas. Algumas dessas coisas, usadas com equilíbrio, até podem ajudar a harmonia sexual do casal, mas se faltar o essencial, que é a conjugação do corpo com o espírito, tudo pode falhar e terminar em frustração.

O ato sexual não é a causa do amor do casal, é o efeito dele. Não é o ato que gera o amor; é o contrário, é o amor que gera a união corporal para celebrá-lo.

Como o ato sexual foi querido por Deus, devemos entender que Ele está junto do casal nessa hora de “liturgia conjugal”. Por isso, o casal deve respeitar a presença divina que os uniu em matrimônio, a fim de conseguir realizar em plenitude o que Ele quis para eles. Cristo está presente também nessa hora, pois é nesse momento que um novo ser humano poderá ser gerado, na celebração do amor conjugal. Cristo quer incluir a vida sexual do casal no seu projeto de santificação. Também ai o casal cresce no seu amor, na compreensão mútua, no perdão e na paciência.

O ato sexual em clima de fé santifica

Em outras palavras, o ato sexual em clima de fé santifica. Naquela hora é como se o casal orasse com o corpo todo. É por isso que antigamente, após a celebração do matrimônio na igreja, o padre ia à casa do casal benzer a sua cama; pois é no ato sexual que o matrimônio é consumado.

O casal deve vigiar para que a relação sexual não seja mundanizada, isto é, realizada à moda da prostituição vendida em fitas de vídeo de filmes pornográficos. Sabemos que muitos motéis oferecem vídeos pornográficos aos casais, mas estes não precisam disso para se prepararem para o ato sexual.

A Igreja ensina que “a pornografia ofende a castidade, porque desnatura o ato conjugal, doação íntima dos esposos entre si. A pornografia atenta gravemente contra a dignidade daqueles que a praticam (atores, comerciantes e público), porque cada um se torna para o outro objeto de um prazer rudimentar e um proveito ilícito. Mergulha uns e outros na ilusão de um mundo artificial. As autoridades civis devem impedir a produção e a distribuição de materiais pornográficos” (cf.CIC n.2354).

A moral católica ensina que não se pode fazer o bem através de um meio mal. Logo, a pornografia e outros meios condenados pela moral não podem ser válidas no fomento do ato sexual do casal cristão. “Esta é a vontade de Deus: a vossa santificação; que eviteis a impureza; que cada qual saiba tratar a própria esposa com santidade e respeito, sem se deixar levar pelas paixões desregradas como fazem os pagãos que não conhecem a Deus” (1 Tess 4,3-5 – Bíblia de Jerusalém).

Além do mais, se o casal cristão usa de um motel, está fomentando o seu crescimento, quando deveria ser o contrário. Está colaborando formalmente para o mal – o que não é lícito. Há muitas outras formas sadias e legítimas para um casal rejuvenescer sua vivência sexual. É preciso vigiar contra a máquina publicitária, que está montada em cima de um comércio imoral do prazer, e que tende a arrastar também aqueles que amam a Deus.


Felipe Aquino

Professor Felipe Aquino é viuvo, pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova. Página do professor: www.cleofas.com.br Twitter: @pfelipeaquino

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.