Doação sincera

É o amor que humaniza a sexualidade

O amor torna humana a sexualidade, gerando o comprometimento –que tem sua máxima expressão no matrimônio sacramental

Amor: somente ele pode, de fato, humanizar a sexualidade. No entanto, em nossos dias, esse termo se encontra envolto em uma complexa confusão em seu sentido e compreensão. Muitos o têm reduzido apenas à dimensão do prazer e à sua especificidade erótica. É certo que essa palavra engloba também essa dimensão, contudo, ele não se encerra apenas em tal expressão.

O amor –em seu sentido agápico (do grego ‘Ágape’) –significa capacidade concreta de doação em favor do outro, buscando a devida interação com a verdade dele. E isso também deve ser aplicado à concepção humano/erótica do amor, pois, para este ser autêntico, não poderá ter o egoísmo como única força motriz.

1600x1200-é-o-amor-que-humaniza-a-sexualidade---teksomolika-by-Getty-Images

Foto: Teksomolika by Getty Images

O amor não se resume à utilização do outro como objeto de prazer sexual. Ele não pode permitir a utilização momentânea e descartável de um “alguém humano” por meio de aventura descompromissada e irresponsável. O autêntico amor comporta o compromisso.

Estamos acostumados a ouvir os gritos de uma sociedade que elevou à máxima potência a necessidade de satisfazer os próprios desejos e instintos a qualquer custo, transmutando assim o valor da pessoa e o colocando em segundo plano. Dentro desse universo de compreensão, o que importa é satisfazer o desejo, não se importando se o outro é utilizado como um mero “brinquedo” por alguns instantes, sendo depois jogado nas mãos do destino.

É o amor/compromisso que humaniza a sexualidade, do contrário ela se torna apenas egoísmo animalesco. A vivência sexual sem o amor deixa de ser humano e torna-se escravidão instintiva.

Quem verdadeiramente ama é capaz de assumir o outro integralmente, com todas as suas consequências, sem querer usá-lo apenas para uma satisfação superficial.

Leia mais:
.: A beleza do amor humano e a sexualidade
.: O amor não é lucro de retorno imediato
.: Como identificar se tenho distúrbios na sexualidade?

O amor torna humana a sexualidade, gerando o comprometimento –que tem sua máxima expressão no matrimônio sacramental e o bem, necessários para que a devida interação aconteça, sinalizando o outro como fim e não como meio. O ser humano possui uma dignidade inviolável, ele é pessoa e nunca deverá ser diminuído à categoria de objeto.

O amor traz cor e sabor à vida, ele inaugura uma primavera de sentido para toda e qualquer relação.

A virtude a que somos chamados consiste em contemplar pessoas e relacionamentos sob a ótica do autêntico amor. Assim, a doação sincera em vista do bem inspirará nossas atitudes e nos permitirá elevar o ser à sua altíssima e verdadeira condição: a de filho amado, querido e respeitado por Deus.


Padre Adriano Zandoná

Adriano Zandoná é padre e missionário da Comunidade Canção Nova. Graduado em Filosofia e Teologia, exerce atualmente a função Responsável Geral pela Canção Nova em São Paulo (SP). Todas as segundas-feiras celebra a missa na Catedral Maronita, em São Paulo, às 19h30, com transmissão ao vivo pela TV CN. Apresenta o programa “Construindo a Felicidade”, todos os dias da semana, exceto às quintas, às 17h pela Rádio América (AM 1410). É autor dos livros: “Construindo a Felicidade” e “Curar-se para ser Feliz”, publicados pela editora Canção Nova. Facebook.com/PadreAdrianoZandoná
twitter.com/peadrianozcn
blog.cancaonova.com/padreadrianozandona

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.