Na minha casa? Não!

Aproxima-se o Natal, tempo que marca as nossas vidas. Nossas cidades ficam mais iluminadas, nossas casas bem ornamentadas, diversos símbolos apontam o mistério que celebramos e tornam o ambiente mais alegre e festivo.

Por outro lado, quase sem perceber, muitas pessoas estão entrando na cultura pagã da celebração do Natal. No lugar do Menino Deus, do presépio e das imagens sagradas tem se dado lugar para o papai noel, presentes, duendes, gnomos, etc., etc. Estamos até decorando as nossas casas com símbolos que não têm nada de cristão. Cuidado!

Fui vitrinista de uma loja de calçados infantis e sei de como a Nova Era usa esta festa cristã para paganizar as nossas casas e as nossas cidades. No lugar de símbolos que expressam o mistério do Verbo, que se fez carne, colocam-se símbolos que esvaziam e descristianizam o significado do Natal.

Andando pelas ruas e pelos shopping centers, não é difícil encontrar duendes, gnomos, bruxas, fadas, pirâmides, e principalmente “anjos” afeminados e com expressões um tanto sensuais para chamar atenção de crianças, jovens e adultos na hora das compras. Pior do que isso são os objetos que, sem saber, estamos levando para decorar as nossas casas, atraindo todo tipo de contaminação e trocando os símbolos cristãos pelos pagãos.

Existe na nossa sociedade um movimento de descristianização da sociedade e, alguns meios de comunicação estão a serviço deste movimento. Assim como há sites ensinando como montar uma árvore de natal mágica, chamada de árvore cabalística ou sefirótica. Há alguns dias, uma apresentadora famosa de TV ensinava a queimar incenso e a decorar a casa com velas mágicas para trazer boas energias, além de várias simpatias para um Natal de “paz”. Pensei comigo, naquele momento: “Quantos cristãos estão sendo enganados por esta falsa doutrina? Quantos cristãos estão comprando as idéias do diabo via satélite?”

Na busca da dita “paz” muitos estão trocando o verdadeiro Príncipe da Paz, que é Jesus Cristo, por magia cósmica, bons fluídos, e todo tipo de esoterismo. Como diz São Paulo: “Não podeis beber do cálice do Senhor e do cálice dos demônios; não podeis participar da mesa do Senhor e da mesa dos demônios” (1Cor 10, 21)

Os símbolos expressam o inefável, o mistério de Deus. Os símbolos natalinos evangelizam sem palavras, é arte, é dom de Deus. Um simples presépio, na sua casa, diz do mistério do Verbo que se fez carne. Lâmpadas ou velas acesas expressam, sem palavras, que a Luz venceu as trevas; a árvore de Natal com seu colorido aponta para o céu, nossa pátria celeste. Os sinos exprimem o desejo de nosso coração quando chegar Jesus Cristo, o Filho de Deus.

Que neste Natal você seja cristão, inclusive na decoração do seu lar! Diga não aos símbolos da Nova Era na sua casa! E como bem nos alerta o Papa João Paulo II: “O simples fato de sermos de Deus nos obriga a ser diferentes”. Objetos que não apontam para Deus? Na minha casa, não!

Um bom, santo e feliz Natal!

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.