Dons de Santificação

O dom de ciência

O dom da ciência leva o homem a compreender a marca de Deus que há em cada ser criado

O Papa Francisco, falando dos dons do Espírito Santo, disse que “o dom de ciência faz com que o cristão penetre na realidade deste mundo sob a luz de Deus; que ele veja cada criatura como reflexo da sabedoria do Criador. O dom de ciência leva o homem a compreender o vestígio de Deus que há em cada ser criado. O homem foi feito para Deus e só n’Ele pode descansar, como disse Santo Agostinho. Com esse dom, o cristão reconhece o sentido do sofrimento e das humilhações no plano de Deus, que liberta e purifica o homem”.

O dom de ciencia

O dom da ciência comunica-nos a faculdade de “saber fazer”, a destreza espiritual. Torna-nos aptos para reconhecer o que nos é espiritualmente útil ou prejudicial. Está intimamente unido ao dom de conselho. Este, move-nos a escolher o útil e a repelir o nocivo, mas, para escolher, devemos antes conhecê-lo. Por exemplo, se percebo que excessivas leituras frívolas estragam o meu gosto pelas coisas espirituais, o dom da ciência induz-me a deixar de comprar publicações desse tipo e inspira-me a começar uma leitura espiritual regular.

Tudo o que temos, somos e sabemos, recebemos de Deus. Diz São Tiago que “Toda dádiva boa e todo dom perfeito vem de cima: descem do Pai das luzes” (Tg 1,17). Se possuímos talentos, não devemos nos orgulhar nem buscar a glória dos homens por causa deles, porque de Deus é que os recebemos gratuitamente. Se o mundo nos admira, bate palmas aos nossos trabalhos, a Deus é que pertence essa glória, é Ele o doador de todos os  bens. Como disse Santa Catarina de Sena: “Não sejamos ladrões da glória de Deus”.

Os santos souberam ver Deus atrás das criaturas, como que através de um espelho. São Francisco de Assis compôs o “canto das criaturas” ao Senhor. As flores, as aves, a água, o fogo, o sol… tudo lhe era ocasião de contemplar e amar a Deus. Tudo para ele era “irmão”; por ter saído das mãos do mesmo Deus que o criou.

O dom da ciência nos faz entender também que toda criatura, por mais bela que seja, é sempre insuficiente para satisfazer o coração do homem. Ele sente que foi criado para o infinito e só em Deus pode ter descanso. Santo Agostinho disse, nas suas confissões, que seu coração estava inquieto e que só encontraria repouso em Deus. Por isso, muitos homens e mulheres, que, como Santo Agostinho, viveram uma vida dissoluta, sem Deus, converteram-se ao Senhor depois que experimentaram o vazio de uma vida sem Ele. Tal foi o caso de São Francisco Borja († 1572), que ao contemplar o cadáver da rainha Isabel, exclamou: “Não voltarei a servir a um senhor que possa morrer!”.

Esse dom também nos ensina a reconhecer melhor o significado do sofrimento e das humilhações que enfrentamos na vida, de modo a compreender que Deus tem um desígnio de salvação também por trás deles, e que “tudo concorre para o bem dos que amam a Deus” (Rom 8,28). Este dom nos leva a entender o sofrimento como uma escola que nos liberta e purifica, que nos configura com Jesus Cristo, conforme disse São Paulo: “Deus nos predestinou para sermos conforme a imagem de Seu Filho” (Rom 8,29). Se não fora o sofrimento, muitos e muitos homens não sairiam de sua estatura anã e mesquinha… nunca atingiriam a plenitude do seu desenvolvimento espiritual.

O dom da ciência infusa nos imuniza de ignorância das coisas de Deus. Adão, no paraíso, conhecia as verdades de ordem religiosa e filosófica para que orientasse a sua conduta e educasse devidamente os seus filhos (cf. Eclo 17,1-8). Santo Agostinho e São Tomás de Aquino julgam que ao dom da ciência infusa de Adão estava associado o dom da imunidade de erro (cf. S. Tomas, S. Teol. 194,4; De verit. 18,6); e erro é, sim, o mal da inteligência.

:. Novena de Pentecostes


Felipe Aquino

Professor Felipe Aquino é viuvo, pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova. Página do professor: www.cleofas.com.br Twitter: @pfelipeaquino

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.