Dificuldades financeiras

A crise econômica pode afetar minha família?

O Brasil, como todos sabem, está passando por um momento de crise econômica e política

Só se fala disso nos jornais e noticiários, nas conversas entre amigos, nas redes sociais e internet. Primeiramente, é preciso entender que não é um momento qualquer: estamos falando da maior crise econômica dos últimos 25 anos! Se confirmada as previsões dos economistas e especialistas em finanças, será a primeira vez, desde 1948, quando iniciou a série de medições do IBGE, que o Brasil viverá dois anos seguidos de recessão. Tomando esse pano de fundo, surge a questão: como toda essa crise pode afetar o casamento, a família e o lar dos brasileiros? A crise econômica pode afetar o meu casamento? Como fica a relação do casal diante das dificuldades financeiras?

A Crise Econômica pode afetar minha família

Leia também:
.: Crise econômica, o que é e como afeta meu bolso?

Falar sobre economia é tratar de números e projeções. Já o casamento é uma questão mais profunda, e não pode ser generalizado. Cada família, cada casal, tem o seu modo próprio de lidar com situações adversas e dificuldades como as que se vivem hoje, dada a crise econômica. Dito isso, é preciso verificar alguns pontos que podem contribuir para enfrentar melhor a situação, como a perda de emprego, a redução do dinheiro no bolso devido à inflação que corrói os salários e a dificuldade para conseguir crédito com juros mais altos e aumento de impostos. Diante desse cenário, algumas dicas são valiosas para o casal enfrentar bem a crise financeira.

Diálogo financeiro do casal

Onde estamos financeiramente? Onde queremos chegar? Quais as fontes de desentendimento financeiro entre nós? Quais gastos são desnecessários hoje? Qual o valor total de nossa dívida? São perguntas importantes a serem feitas. O casal precisa dialogar constantemente sobre a questão/situação financeira. Pode não ser agradável para alguns falar sobre dívidas, salários, gastos e investimentos, mas é uma conversa que não pode ser adiada. No entanto, é preciso escolher o melhor momento para fazê-lo, como um dia tranquilo, com tempo suficiente, em local reservado ao casal, para que a questão financeira não seja afetada por fatores externos. É preciso pensar como casal. Estamos nos deixando levar pelo consumismo? Realmente precisamos comprar isso?

Lidando-com-as-crises

Adquira o livro “Lidando com as crises” em nossa Loja Virtual

“Quem não pensa é pensado pelos outros.” (Sócrates)

Muitos casais acabam por falar, muitas vezes, durante o corre-corre do dia a dia, sobre finanças, mas nunca chegam a um ponto comum. Falam o tempo todo, mas não se sentam à mesa, com uma planilha eletrônica, caderno ou aplicativo de celular, para apontar tudo de uma só vez. É melhor sentar e falar tudo, ouvir tudo um do outro, do que passar meses com conversas financeiras pela metade. Uma conversa madura e pontual, sem acusações mútuas e com a realidade financeira no papel (ou no laptop), pode evitar desentendimentos. Quando se coloca tudo no papel (ou na planilha), o alvo passa a ser os números, e não o cônjuge. Isso ajuda muito a mostrar que ambos estão do mesmo lado, e não um contra o outro. O desafio está logo à frente, posto a mesa, e pode ser vencido!

Após dialogar sobre finanças, pontualizar (e muitas vezes pedir perdão), chega-se o momento de fazer planos.

O Futuro do Casal e da Família: Onde queremos chegar?

Onde queremos chegar em 3 meses, 6 meses, 1 ano, 5 anos, 10 anos…? Sem metas nem objetivos, o casal pode andar em círculos e se desgastar. Quantos anos temos até a aposentadoria? Temos uma reserva para emergências? Que futuro podemos dar aos nossos filhos? Santo Inácio de Loyola escreve: “Age como se tudo dependesse de ti, mas consciente de que na realidade tudo depende de Deus”.

Confiança em Deus

Para o casal, é imprescindível confiar em Deus e fazer a sua parte. A cada vitória financeira é preciso comemorar, mesmo que seja com algo que não custe nada. O importante é superar os desafios econômicos e fazer uso da situação para unir o casal. A crise financeira passará, e os casais e famílias que souberem conviver com ela equilibradamente, com diálogo e compreensão, colherão frutos de disciplina financeira e maior unidade. O que não nos destrói, torna-nos mais fortes.

 


Bruno Cunha

Mestrando em Desenvolvimento Regional pela Universidade de Taubaté (UNITAU), Bruno Cunha possui Pós-graduação em Administração (MBA) pela Fundação Getúlio Vargas e graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Pernambuco. Atualmente, é diretor administrativo e financeiro da Faculdade Canção Nova, onde também atua como professor. Cunha tem experiência na área de Finanças, Economia, Educação Financeira, Finanças pessoais e Administração Financeira e Orçamentária.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.