Oração, um caminho

É fantástico, fascinante e sedutor percorrer o caminho, a aventura da oração através dos séculos, da Palavra de Deus, dos Santos, dos místicos e dos homens e mulheres que, sem nenhuma pretensão teológica, são autênticos mestres do diálogo com o Senhor da vida. Não há nenhuma faculdade que dê o titulo de “orantes, místicos e mistagogos”, embora muitas pessoas possam se apresentar orgulhosamente com esses títulos.

Só a humildade e aprendizagem constantes nos fazem capacitados para errar. Só os que erram sentem que estão longe de poder dizer que rezam bem e por isso, buscam luzes e forças naqueles que foram consagrados pela Igreja como autênticos orantes. Meditar na vida e doutrina de orantes de diversas épocas pode, sem dúvida, nos estimular na nossa caminhada de encontro pessoal com o Senhor.

Cada um nos diz alguma coisa interessante, outros percorrem caminhos diferentes, mas o ponto de partida e chegada é sempre o mesmo. O que muda são os meios, os métodos.

O Ponto de Partida – A nossa realidade humana, finita, pobre, limitada que, sentindo-se atraída por uma força “violenta”, busca a serenidade, o ilimitado, o completo e sabe que isso só pode existir dentro de si, mas ao mesmo tempo vem de alguém que é maior e que está dentro e fora dela. É o totalmente Outro, o diferente que em Jesus de Nazaré se faz um de nós, reveste-se de nossa carne, vive conosco para nos ensinar como devemos rezar, viver, assumir a vida, partilhar e manifestar o amor até às últimas conseqüências: “Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida por seus amigos” (Jo. 15,13).

O Ponto de Chegada – Sempre o ponto de chegada da oração será o amoroso encontro com Deus, dialogar com Ele o amor, tornar-se amigo intimo do Senhor. A oração tem esta finalidade e nada mais. Não é, portanto, quantitativa, mas qualitativa. Deus vê o nosso coração e espera encontrar em nós o amor. Para nos colocarmos face a face com o Senhor, necessitamos de fé, de silêncio, de amor, de uma forte esperança que não permite desanimar diante dos múltiplos silêncios de Deus.

Temos visto que dialogar com Deus exige esforço e determinação por nossa parte. Não é fácil, exige exercício constante. Como em todas as coisas, sem perseverança não se chega a nada. Também na oração as palavras-chaves são “fidelidade e perseverança” ao projeto assumido. Nunca deixar de rezar, mesmo que nada se perceba e nada sinta. Sempre a oração deve estar no centro das nossas atividades.

Artigo extraído do livro “Como Rezar?”

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.