Reflexão

Deus nos convida a consolar o teu povo

A todo o momento Deus fala ao nosso íntimo pedindo que amemos os pobres e que aprendamos com eles. Não é fácil viver as margens da sociedade, sem referenciais, sem identidade. Nós como cristãos precisamos fazer com que eles se sintam amados, se sintam acolhidos pelo próprio Jesus que trata das feridas e dignifica. “Consolai, consolai o meu povo!” Cf. Is 40,1

Em cada olhar é necessário enxergar além das necessidades físicas. Ali há um ser que almeja ser feliz, que é impulsionado pela esperança a acreditar e esperar que tempos melhores virão. Por isso, Jesus ao nos convidar para sermos discípulos missionários Ele nos convidou a sermos portadores da Providência Divina. Somos agentes transformadores da história, podemos transformar gerações.

Feliz daquele que tratar com alegria os teus irmãos, pois ele soube transmitir Jesus da forma mais bela e valiosa. O nosso viver deixado ser conduzido por Cristo no agir é a forma mais concreta do Evangelho, por isso, precisamos escrever na nossa história de santidade o quanto amamos os menosprezados.

Quem são os humildes?

Os humildes no sentido social não são apenas aqueles que habitam as ruas e dormem ao relento. São todos aqueles que lidam diariamente com a escassez de fatores essenciais para a sobrevivência, como alimentação, saúde e saneamento básico.

Não basta remediar com medidas paliativas. É preciso ir mais além. É preciso adotar uma medida de resgate nos âmbitos sociais, psicológicos e espirituais, enfim, torna-se necessário uma total integração do indivíduo.

Leia mais:
.: Quais são as características da alma que ora?
.: A humildade não é sinônimo de fraqueza, mas sim uma virtude
.: Conheça a humildade divina da Santíssima Virgem Maria
.: O Senhor está perto do coração atribulado

Estejamos prontos para acolher os necessitados e amá-los sem medida. É amando os humildes que amamos a Deus e aumentamos a nossa intimidade para com Ele. Se assumir cristão e não se compadecer das dores da humanidade é pertencer a um falso cristianismo, e disso a Igreja não precisa. Sejamos atuantes, sem medo!

Artigo enviado por Bruno Lucena, da cidade de Aracaju (SE).

brunolucena.auxilia@gmail.com

comentários