Você cria armadilhas para você mesmo?

CIÚME II

Como evitar o ciúme?

Qual o seu problema:

  • Você tem ciúme?
  • Você provoca o outro a sentir ciúme de você?

Aparentemente problemas diferentes, mas, na realidade, são problemas iguais. Ter ciúme ou provocar ciúme é a demonstração da falta de confiança em si. Quanto menos confiamos em nós mesmos, maior será o medo de encarar a busca de autoconhecimento.

A pessoa carente e insegura vive em eterno sobressalto. Seu dia gira em torno de articular situações para não perder o afeto e a atenção da pessoa amada. Nega a carência, a falta de confiança em si mesmo e o próprio ciúme. É preciso parar de negar, justificar e camuflar o ciúme ou o ato de provocar ciúme. É hora de parar de observar o comportamento dos outros e olhar para si. Seria bom que você escrevesse suas respostas.

  • Quando você recebe um elogio, você o valoriza?
  • Você foi uma criança, adolescente muito elogiado ou criticado?
  • Quando alguém, que está ao seu lado, recebe um elogio, você se sente muito inferiorizado? Você critica, sabota as pessoas que você julga superiores a você?
  • Você se auto-avalia a partir dos comportamentos dos outros?
  • É comum haver na sua família chantagem emocional? Você se sensibiliza ou faz chantagens?
  • Quais são os seus talentos e qualidades?
  • Você é responsável e dedicado no que se refere às suas atribuições?
  • Você quer sempre ser o melhor, buscando a valorização a qualquer preço?
  • Você considera que os demais sempre precisam concordar com sua as suas opiniões?
  • Você busca ser líder em todas as situações?
  • Você é cooperador no trabalho em equipe para que este fique bom ou para que a sua capacidade seja valorizada?
  • Você é flexível a mudanças?
  • Você aceita suas limitações? Ou você se envergonha delas? E quanto às limitações do outro?

As perguntas foram colocadas fora do contexto de relacionamentos afetivos, propositalmente, para que você possa identificar – não o ciúme, mas a falta de confiança em si. Você é competitivo nos relacionamentos interpessoais, sociais, acadêmicos e profissionais? É inseguro? Tem medo de perder espaço, e por isso, fica fazendo “marcação serrada” para delimitar seu espaço? Usa de todos os meios para chamar atenção dos seus acertos e/ou dos erros dos outros?

O ciúme e a necessidade de provocar ciúme não são causados pelo comportamento do seu namorado (a), esposo (a), mas sim, pela forma como você se percebe. Melhorando sua auto-aceitação através do autoconhecimento, você não terá mais ciúme, pois perceberá o quanto você é capaz ou no que precisa mudar. Observe auto-aceitação, autoconhecimento, ou seja, a mudança começa em você. Você gasta muito tempo pensando em como mudar o comportamento do outro?

Se você não respondeu por escrito às perguntas, responda agora. Se você já as respondeu, comece a pensar o que pode e deve ser mudado em você.

Quando aprendemos a identificar e lidar adequadamente com as nossas emoções, identificando porque elas existem no repertório de nosso comportamento, com certeza, deixaremos de armar auto-armadilhas. É importante aprender a viver com as diferenças pessoais, com as frustrações, que existem em uma relação afetiva. Você precisa ‘escutar-se’ verdadeiramente.

versión en español

Claudia May Philippi
CRP-01 3257
claudiamay@pop.com.br

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.