Sofrer sem perder a esperança

Todos os dias o sofrimento bate à porta de milhares de pessoas. Todos os dias se procuram soluções ou analgésicos para atenuar a dor. Todos os dias, certamente, nos questionamos sobre o sentido do sofrimento.

João Paulo II, na Carta apostólica Salvifici doloris, diz que ‘o sofrimento desperta compaixão e também respeito e, a seu modo, intimida. De fato, nele está contida a grandeza de um mistério específico. À volta do tema do sofrimento há dois motivos que parecem aproximar-se particularmente e unir-se: a necessidade do coração ordena-nos que vençamos o temor e o imperativo da fé fornece o conteúdo, em cujo nome e em cuja força ousamos tocar o que parece tão intangível em todos os homens; é que o homem, no seu sofrimento, continua a ser um mistério intangível’ (nº 4).

A verdade é que o sofrimento, seja físico, psíquico ou espiritual, é um companheiro de viagem para toda a vida, quer queiramos quer não. Mas em caso de dúvida o melhor é prevenirmo-nos, consciencializando-nos de que faz parte da nossa natureza humana.

Sabemos que Deus não quer o sofrimento para os seus filhos. Mas, por vezes, permite a dor para que, através da sua pedagogia divina, tenhamos consciência da nossa condição frágil. Experimentemos a recordar: não será nos momentos de maior sofrimento que recorremos mais rapidamente a Ele e colocamos nas suas mãos o nosso agir? Não será nesses momentos que nos aproximamos d´Ele e Lhe perguntamos o que quer que façamos?

Deus quer a nossa felicidade. E a nossa felicidade é fazer a vontade de Deus. O problema é que por vezes teimamos em sermos senhores da nossa vida, colocando-nos no lugar de Deus. Perante o sofrimento é preciso agir. Na dor temos que apostar na vida e sair da doença, da tristeza ou da opressão.

Padre José Carlos Nunes
Fonte: Revista Família Cristã/ Portugal

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.