Retornando à vida

Momentos difíceis são comuns na vida de todas as pessoas.
Há um trecho da música “Filho de Davi” que diz assim: “Nem todos os maus momentos da minha vida foram o bastante, não me levaram ao fracasso”.

Já passei por droga, prostituição, pobreza, muito medo, situações que pensava não ter mais jeito, pensava já ter chegado ao fim, mas todas essas situações da minha vida e todos os problemas estão no passado. Após um período de sofrimento, Deus, no Seu amor, ressuscita o que em nós estava morrendo, e foi assim comigo.

Nos momentos de sofrimento e crises, tentamos de tudo, vamos ao médico, pedimos dinheiro emprestado… Somente quando se esgotam as possibilidades, recorremos a Deus. Se procurássemos Deus antes de qualquer coisa, a solução dos nossos problemas aconteceria mais rapidamente.

Quando o dependente químico, a prostituta, o homossexual chegam ao fundo do poço, há uma vantagem, é o momento de diálogo. A única solução que resta é sair da vida que estão levando, não há outro meio, estão no fundo do poço. Já orientei pais, dizendo: “Só um tombo muito doloroso vai convencer seu filho de que ele está errado; no fundo do poço só resta uma direção, para cima e, cada avanço é sinal de vitória”.

Enquanto a pessoa não entende que está “arrebentada”, não quer e sente repugnância por conselhos, ninguém poderá ajudá-la.
Lembro-me de quando cheguei a essa situação. Usava drogas havia quatro anos. Chegava em casa como um porco. Minha mãe abria aporta do meu quarto e entrava. Eu fingia que estava dormindo, ela colocava a mão na minha cabeça e pedia: “Pai do Céu, tira o meu filho desta vida”.

Eu pensava comigo: “Esta velha está perdendo tempo”. Tinha repugnância da oração da minha mãe.
Meu pai sempre foi uma pessoa humilde. Eu sentia repugnância dos conselhos dele. Quando ouvia “eu te amo”, sentia como que um facão entrando em mim.

Chegou um dia em que estava tão drogado que acabei entrando numa Igreja. Era um grupo de oração com mil pessoas. Eu estava totalmente drogado. Havia fumado dois cigarros de maconha sozinho.
Entrei, sentei no fundo e comecei a ouvir o pregador falar do amor de Deus. Aquilo me tocou profundamente, chorei muito. Reconheci que precisava de ajuda, então Deus pôde agir. E como ovelha ferida eu voltei.

Talvez você seja essa ovelha, ferida pela prostituição, pelo sexo desenfreado, pela violência, pelas drogas, pela homossexualidade, bebida… Sendo assim, volte!

Quando o Filho Pródigo percebeu que estava entre os porcos e comendo da comida deles, no chiqueiro, lembrou-se da casa do pai: ”Até os empregados do meu pai tem comida boa, bebida e roupas, ele imediatamente, “caiu na real” e voltou para casa.” (cf. Lc 15,17.20a)

Dunga
Do Livro: Geração PHN – Editora Canção Nova

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.