Intercessores revestidos de poder

A palavra “servo” se dirige em primeiro lugar a Jesus, que é o Servo: o Servo Javé, o Servo de Deus, o Servo do Senhor. Essa palavra também se aplica a todos os que são de Jesus e fazem parte do Seu Corpo: “Eis meu Servo que eu amparo, meu eleito ao qual dou toda minha afeição, faço repousar sobre ele meu espírito, para que leve às nações a verdadeira religião” (Is 42,1).

Jesus compreendeu que o Pai o enviou, mas que não realizaria Sua missão sozinho. Por isso, Jesus escolheu os apóstolos e os discípulos, conviveu com eles e assim, fundou uma Igreja sobre Pedro.

O Pai foi revelando o Seu plano aos poucos, até Jesus homem entender a Sua vontade. Jesus não estava sozinho, estava com aqueles que o Pai escolheu para ser um com Ele.

Lúcifer, um anjo de luz, foi escolhido por Deus para preparar esta terra para a vinda do Filho de Deus, para que Ele viesse e governasse esta terra. Ele não o fez, não quis fazer. Somos os servos do Senhor que estamos preparando a terra, a humanidade para que Jesus venha e governe. Nossa posição é a de servo.

Afirme para si mesmo: “Eu sou servo. Minha identidade é ser servo! O Senhor me escolheu para servir. Vivo para servir o Senhor.”

Somos servos e nos encaixamos bem na Palavra de Jesus: “Não fostes vós que me escolhestes, mas eu vos escolhi a vós e vos constituí para que vades e produzais fruto…” (Jo 15,16). O Senhor nos escolheu gratuitamente, por amor.

A palavra “eleito” nos dá a conotação de amor. Você nunca chama uma mulher de “minha eleita”, se não a ama; nunca chama um homem de “meu eleito”, se não o ama. O “eleito”, aqui, traz a conotação de amor. Deus é amor e derrama este amor sobre você.

Esta é a nossa identidade: Somos servos eleitos do Senhor, sobre quem Ele põe toda a Sua afeição.

Eu sempre ficava atrapalhado com esta expressão: “… faço repousar sobre ele meu espírito” devido a palavra “repousar”. Num outro trecho ela aparece novamente: “O Espírito do Senhor repousa sobre mim, porque o Senhor consagrou-me pela unção…” (Is 61,1).

O termo “pairar” em hebraico utilizado em Gênesis: “… e o Espírito de Deus pairava sobre as águas” (Gn 1,2), é o mesmo usado em Isaías com o sentido de “repousar”. O mais interessante é que tanto em Gênesis como em Isaías era um termo comum, conhecido por todas as pessoas. Era um verbo usado no hebraico para indicar a ação da galinha que está chocando os ovos. A galinha abre as asas, paira e faz pousar o corpo inteiro sobre os ovos; com o seu calor é que os ovos são chocados.

O mais interessante é que a galinha não quebra os ovos para que os pintinhos saiam. É o próprio pintinho que, dentro do ovo, bate com o bico e quebra a casca! Tudo acontece a partir do calor que o ovo recebe da galinha.
É isto que o Senhor está dizendo:

“Eis meu Servo que eu amparo, meu eleito ao qual dou toda minha afeição, faço repousar sobre ele meu espírito…”

Imagine um ovo que começa a ser chocado e não chega ao fim do processo. Dentro de cada um de nós há um caos, algo malcheiroso. Mas o Espírito de Deus, pousando sobre nós, transforma todas as coisas; formando o homem novo à imagem de Jesus Cristo. Essa é a nossa consagração!

“O Espírito do Senhor repousa sobre mim, porque o Senhor consagrou-me pela unção…” (Is 61,1). É necessário proclamar: “Eu sou um consagrado!”

Às vezes pensamos que consagrado é alguém que toma a iniciativa de se entregar ao Senhor. É o contrário: é o Senhor quem nos consagra; é Ele quem nos escolhe e nos faz Seus eleitos; é Ele quem toma a iniciativa. “Não fostes vós que me escolhestes, mas eu vos escolhi a vós e vos constituí para que vades e produzais frutos…”

Somos consagrados ao Senhor. Somos os levitas, aqueles que o próprio Senhor consagrou e cuja missão é levar a arca da aliança: Esta arca da aliança que somos nós! Dentro dela repousa o Espírito Santo que está vivo, ativo, agindo com Seus dons.

Constatamos um intercessor pelo fato de ser alguém batizado no Espírito Santo. Não podemos pensar que “batizar no Espírito” é uma ação que ocorre num determinado momento e pronto. Jesus nos disse: “…vós sereis batizados no Espírito Santo…” (At 1,5).

Em outras palavras: “Vós sereis mergulhados, encharcados no Espírito Santo”. Imagine um lenço branco, seco, limpinho. Se o mergulharmos na água ele ficará tão encharcado que ao apertá-lo sairá água.

Quando somos batizados no Espírito Santo, o que comunicamos é o Espírito: quando tocamos alguém, o Espírito toca; quando oramos, o Espírito ora; quando pedimos, o Espírito pede, age e faz. Assim acontece a realização dos dons.

Muitas pessoas têm receio de cair em orgulho espiritual. Temos que buscar sempre a humildade, mas a humildade está nesta verdade: Não sou eu quem realizo prodígios é o Espírito do Senhor! E se Ele quer que eu O leve, e há tanta gente precisando, eu só posso levá-Lo.

Eis o que diz o Senhor Deus que criou os céus e os desdobrou, que firmou a terra e toda a sua vegetação, que dá respiração a seus habitantes, e o sopro vital àqueles que pisam o solo. “Eu, o Senhor, chamei-te realmente, eu te segurei pela mão, eu te formei e designei para ser a aliança com os povos, a luz das nações; para abrir os olhos aos cegos, para tirar do cárcere os prisioneiros e da prisão aqueles que vivem nas trevas. Eu sou o Senhor, esse é meu nome, a ninguém cederei minha glória, nem a ídolos minha honra. Realizaram-se os primeiros acontecimentos anunciados, eu predigo outros; antes que aconteçam, eu vo-los faço conhecer” (Is 49,5-9).

Agora assuma diante do Senhor: Eu sou um consagrado! Sou hoje um levita! O Senhor me escolheu e consagrou, para que eu leve em mim mesmo a Arca da Aliança, a Arca da Salvação.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.