Injetar amor

“Onde não há amor, põe amor e colherás amor!” (São João da Cruz)

São Paulo nos afirma e ensina o que é o amor: “O amor é paciente, é benfazejo, não é invejoso, nem se incha de orgulho, não faz nada de vergonha, não é interesseiro, não se encoleriza, não leva em conta o mal sofrido, não se alegra com a injustiça, mas fica alegre com a verdade. Tudo desculpa, tudo crê, espera tudo e suporta tudo.” (I Cor 13, 4-7)

Foi, então, que ao me deparar com essa verdade, questionei-me: De que forma tenho vivido o dom mais precioso, que é o amor? De que forma você tem vivido o dom mais precioso, que é o amor?

Muitas vezes, somos acometidos por situações tão desagradáveis, que se pudéssemos, apenas optaríamos por não vivê-las, por não passar por tais situações e excluiríamos as mesmas, e assim também aqueles, que nelas estão envolvidos. Isso é fruto da nossa natureza, miserável e egoísta, que tende a buscar somente o que lhe agrada, somente o que lhe é conveniente, e quando nos encontramos em tais situações, precisamos mergulhar no que nos ensina São João da Cruz: “Injetar amor!”

É isso, Precisamos injetar amor! Uma presença de amor é capaz de realizar milagres! Quando impregnados desse amor puro, somos capazes de dar uma resposta diferente, de sair de nós mesmos em busca do Bem Maior, e assim, somos a presença de amor na situação e para aqueles que nela estão envolvidos. Agindo dessa forma estamos semeando, para mais tarde viver o tempo da colheita.

É preciso injetar amor em situações, onde não existe amor, onde existe aquilo que é contrário ao amor. Para isso, necessário nos será sair da nossa conveniência e darmos o primeiro passo; é preciso decisão. Amar é uma decisão!

É preciso decidir-se por amar, mesmo que tudo nos leve a acreditar que não vale a pena decidir-nos pelo amor. Há situações em que nossa humanidade nos pede a indiferença, o desprezo, e é nessa hora que precisamos recorrer às Sagradas Escrituras e decidir pela verdade do amor, que não busca seu próprio interesse, que não leva em conta o mal sofrido, que tudo crê, que tudo desculpa, que tudo suporta….

Quanto mais injetamos indiferença, desprezo, frieza, tanto mais colheremos a indiferença, o desprezo e a frieza. Quando desprezados e tratados com indiferença, temos a linda oportunidade de nos unirmos à Cruz. E que linda experiência!

Nesta hora, o Senhor nos permite mergulhar na Paixão, naquele momento que Nosso Senhor era desprezado, humilhado, tratado com indiferença e frieza, e quanto mais era assim tratado, mais injetava amor. Um amor capaz de dar-se por inteiro, amor capaz de dar-se a si próprio e, por tamanho amor, perdoar e por amor, ressuscitar.

Amor é doação, é fazer o bem sem olhar a quem e sem esperar nada em troca. Amor é ressurreição! É preciso decidir-se pelo bem maior: o Amor.

Deixo para você o convite de se decidir pelo amor e, por essa decisão experimentar em cada situação, a graça da ressurreição. E como São João da Cruz nos afirma: colher amor!

Boa colheita.

Com orações,

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.