Família, lugar do perdão e festa

A família é um lugar extraordinário de descoberta da diferença. Esta descoberta se faz pouco a pouco. No começo da relação do casal, na lua de mel: “Tu és a mulher mais bonita do mundo!”, “Não! Tu és o mais bonito dos homens!”.

Estamos em pleno idealismo. Há nisso, algo de muito belo! Depois, rapidamente, nós descobrimos que o outro não é somente qualidade e beleza. Há nele – e em nós – luz! Mas há também trevas, angústia, medo. Progressivamente, a partir da lua de mel, começa a tarefa de aceitar o outro como ele é, de descobrir sua beleza profunda, sem se deter no superficial.

Uma beleza frágil

Que descobrimos? Que o ser humano é, ao mesmo tempo, de uma maravilhosa beleza e de uma imensa fragilidade! Que temos necessidade uns dos outros, que o outro nos revela nossas próprias feridas, nossos próprios bloqueios… São, por exemplo, as discussões sem fim para saber se compra-se queijo prato ou mussarela. Ou, no carro, se vamos por esta ou por aquela rua… Eis que por qualquer dá cá esta palha estamos no ponto de puxar um revólver! Significa que somos bem frágeis! Porque, no fundo, dobrar à direita ou à esquerda não tem verdadeiramente importância! Mas há em nós uma necessidade de provar que temos razão e que o outro está errado, uma necessidade de ser superior, um medo de ser agredido.

Jesus destaca essa fragilidade do homem quando diz: Por que olhas o cisco no olho de teu irmão e não enxergas a trave que há no teu? Como podes dizer ao teu irmão: “deixa-me tirar o cisco do teu olho, se tens uma trave no teu?” (cf. Mt 7,3-5). É tão fácil ver os defeitos dos outros! Mas admitir nossos defeitos, nossos próprios erros, é muito difícil! Nós temos sempre uma trave em nosso olho que nos impede de enxergá-los. A vida em família nos permite descobrir esta realidade através das discussões, problemas ou conflitos. É preciso estar engajado numa relação para chegar a esta revelação e a este reconhecimento de nossa fraqueza. É uma passagem obrigatória para nossa libertação. Se nos recusamos a admitir tudo que é, em nós, ferida, erro, pobreza, pecado, infidelidade, jamais poderemos crescer.

A cura

Se uma família desempenhou seu papel de revelador, ela pode também ser o lugar da cura através de uma experiência absolutamente simples e bela: o perdão.
O perdão consiste em aceitar que o outro é outro, com suas feridas e fragilidades, e que ele tem o direito de viver assim como ele é. É também a aceitação de que nós podemos mudar, ser transformados. O perdão é algo extraordinário! É o dom fundamental de Jesus para cada um de nós. É a base de toda relação humana. Não há verdadeiras relações e, portanto, não há verdadeira vida familiar enquanto não se chegou a ponto do perdão.

Para aprender a perdoar é preciso quebrar nosso egoísmo, é preciso derrubar este muro que construímos em volta de nós mesmos para obrigar os outros a estar a nosso serviço. Isso acontecerá por um dom de Deus. Mas também passará por certos conflitos. É a razão pela qual não é preciso ter muito medo dos conflitos em família ou na comunidade. Na verdade, esses conflitos nos revelam mutuamente nossas feridas e ao mesmo tempo podem nos ajudar a procurar mais aquilo que nos une. Não somos absolutamente ridículos ao discutir por um queijo? Não há coisas mais importantes que nos unem? É preciso viver sempre em um mundo de competição? É preciso ter sempre razão? Se nós nos colocamos estas questões por ocasião dos conflitos que encontramos, não iremos descobrir, pouco a pouco, quem somos verdadeiramente e nos acolher tal qual nós somos? Não é fácil amar a si mesmo. Nós nos condenamos ou nos colocamos sobre um pedestal, nos acreditamos ser da elite ou nos mergulhamos nos abismos, na depressão… Entre estes extremos, descobrir e aceitar quem e o que nós somos na realidade é um longo aprendizado. A família pode ser o lugar privilegiado desse aprendizado porque pode ser o lugar onde eu sou amado como sou, onde minhas fraquezas são perdoadas, onde a compaixão e o perdão do outro me ajudam a carregar minhas fragilidades.

O sentido da festa

Para que o perdão esteja no coração da vida familiar, é preciso que ali haja comunicação, escuta, diálogo. Isto pede uma decisão, uma escolha pessoal e livre para passar ao largo de meus egoísmos, de me colocar à escuta do outro, para crescer em fidelidade. E nem sempre é fácil. Descobri inúmeras famílias onde o diálogo se rompeu, onde não se sabe muito bem do que falar, onde mal se fala de si mesmo, de suas emoções, do que se vive. Há como uma espécie de medo de se colocar à disposição. Estou também chocado por verificar como é difícil para alguns casais cristãos orar juntos.

O perdão, o diálogo, a escuta necessitam de tempos de celebração. Parece-me que um dos grandes problemas das famílias hoje é que elas não sabem mais celebrar, regozijar juntos. Segue-se, mais e mais, alguns péssimos hábitos americanos, como o fato de comer depressa. Mas a refeição é alugo importante. Algumas vezes, quando vou jantar em tal e tal família, eu fico surpreso porque a televisão está ligada durante a refeição. Porque eu estou lá, os anfitriões são muito gentis e baixam o som. Mas, mesmo assim, é complexo: estar ao redor de uma mesa voltados para uma pequena tela em vez de olhar uns para os outros. Mas é assim: estamos em um mundo que menospreza a comunicação e a celebração familiares.

Como reencontrar este senso de celebração e ter tempo para estar juntos? Como se rejubilar porque Deus nos uniu, como celebrar através de refeições, de música, de mímica, de dança, de histórias…? Como celebrar nossa unidade? São questões importantes para nosso mundo que passou da celebração para o espetáculo.

A maior riqueza

A família nos mostra que nossa maior riqueza está no relacionamento. “Minha maior riqueza és tu porque tu és um ser humano”. É teu coração, tua capacidade de comunicar, de amar, de viver, de orar, de estar juntos. É esta riqueza que nós somos convidados a celebrar em família: façamos festa ao amor, a festa do amor.

Esta celebração não é algo onde nós nos fechamos em nós mesmos com aquela certeza de que somos os melhores. Uma celebração verdadeiramente humana não pode jamais esquecer aqueles que sofrem e aqueles que estão do lado de fora, é por isso que nossas celebrações terminam sempre com uma oração pelos crucificados de hoje, aqueles que são excluídos, aqueles que não celebram mais, porque não têm família, nem comunidade.

Família – esperança para o nosso tempo

Uma família que perdoa, uma família que celebra, uma família onde se escuta mutuamente, uma família que tem tempo de estar juntos será uma família fecunda, fonte de vida para as outras famílias. Ela será sinal de que o amor é sempre possível sobre a terra, que nós não estamos condenados à competição, à guerra, ao divórcio. Esta família testemunhará uma comunhão que a ultrapassa porque encontra sua fonte no próprio Deus.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.