Direcione tudo para o Céu!

Digo para mim mesma: Luzia, não desperdice a dor e o sofrimento. Aproveite todas as suas lágrimas… Ao sermos livres para chorar, agradeçamos, pois o pranto traz alívio, lava a alma. O dom das lágrimas é um privilégio!

Não perca seu tempo, mas apresente sua dor, seu sofrimento, suas lágrimas ao Senhor:

“Senhor, tende piedade de mim, socorrei-me sem demora; já estou desfalecendo, vinde em meu auxílio; se o Senhor não intervir logo vou sucumbir” (Sl 142,7).

Precisamos interceder pelos que não rezam. Quem não sabe como orar, deve ter fé e ousar começar. Se você não tem palavras para orar e mesmo assim se esforça, já está rezando.

Quando um eremita reza, na sua solidão, ele reza em comunhão com todos os homens e mulheres da face da terra. Quando oro sozinho ou com o povo, rezo por você. Rezamos uns pelos outros. Quando você ora com lágrimas, ou com o seu coração sofrido, sem palavras, você está orando em comunhão com uma multidão de irmãos que, como você, sofre pelo mundo.

A vocação própria de um eremita e de uma religiosa enclausurada é a oração, porém, mesmo os que têm vocação, sentem necessidade de rezar e rezar muito. Temos esse ofício e precisamos cumpri-lo. Quem não sabe rezar pode oferecer a Deus a vontade de rezar e orar mesmo sem compreender. Até o sofrimento por não saber orar, direcionado a Deus, é uma oração.

Não tenha receio, não desperdice as grandes e pequenas tribulações. “Há esperança para tua descendência: teus filhos voltarão para a terra que é deles” (Jr 31,17). Direcione tudo para o Céu, confie na providência constante do Pai. “Senhor, clamo a Ti, corre em auxílio; escuta a minha voz quando te invoco. Que minha oração suba à tua presença como incenso…” (Sl 141,1-2).

Nosso coração precisa ser uma tocha acesa diante de Deus. Mesmo com as nossas ocupações, doenças e reveses, sem conseguir falar como gostaríamos, precisamos nos apresentar a Deus e permanecer em Sua presença. O Senhor vê e considera nosso esforço, ouve nossa oração, feita com palavras ou em silêncio, vê nosso íntimo, nosso sofrimento, dor e lágrimas. Como Deus é Deus! Como Deus é bom!

Lembremos: nunca rezamos sozinhos. Deus é Trino, é família. Rezamos com Jesus, com o Espírito Santo, no Pai. Rezamos em comunhão com Nossa Senhora, anjos e santos. Com toda a Igreja do Céu e da terra! Como é linda a nossa família!

Do livro: “Sofrer sem nunca deixar de amar”

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.