Buscar a verdade no contato com os outros

Você costuma dizer sempre sim quando te solicitam, não por uma preocupação com o outro, mas por não saber como se expressar diante daquela pessoa? Sente-se culpado ou irritado depois disso? Quantas vezes você deixou de expressar suas dificuldades, aumentando a pressão sobre você? A transparência é necessária em qualquer relação humana. No entanto, muitas vezes temos medo de expor nosso ponto de vista, nossa dificuldade. Por exemplo, será que é possível ser sincero com pais, companheiros ou filhos, em TODAS as situações? Será que é possível viver uma relação transparente no nosso ambiente de trabalho, de estudo? Mais do que responder a essas perguntas com um ‘sim’ ou ‘não’, viver essa proposta é um desafio que pode ser extremamente edificante para qualquer um de nós.
Para auxiliar nesse desafio, talvez possamos lançar mão de algumas ferramentas, buscando conhecer nossas dificuldades. Por exemplo, existem situações em que temos dificuldade em contrariar os outros. Aceitamos as imposições, as solicitações dos outros, e nunca falamos uma parte significativa da verdade, que nesse caso se refere àquilo que sentimos, que pensamos. Ignoramos a nós mesmos, em função do medo de críticas, de broncas, ou por medo de perder o afeto, a admiração, o respeito do outro. Essas são características que definem uma postura passiva. Uma coisa importante para mudar essa condição é avaliar o que realmente valemos: Será que só somos dignos de ser amados se formos perfeitos, se não dermos margem para críticas? Deus tem paciência conosco; será que, uma vez que temos propósitos firmes, concretos, de buscar viver segundo sua vontade, não podemos também ter paciência conosco, e transferir isso para o dia-a-dia? E a partir daí não mais nos culpar, ou esconder nossas imperfeições, mas lidar com elas de forma clara, transparente, e procurar a correção?
Existem outras situações em que apresentamos uma postura agressiva diante de qualquer exigência ou solicitação. Falamos a nossa verdade, aquilo que sentimos ou que pensamos, mas desrespeitando o outro, não levando em consideração os sentimentos ou a realidade daquele próximo. Impomos nossa vontade, nossa opinião, nossas necessidades. Nesse momento, nos fechamos em nós mesmos, tendo nossa visão de mundo como correta, não ouvimos o outro, e quando fazemos isso, fazemos para desqualificar o que fala ou agredi-lo com seus próprios argumentos. Às vezes isso acontece por uma certa comodidade, que avança para arrogância, auto-suficiência; outras vezes, é apenas uma outra maneira de nos defendermos das críticas. Vale a pena lembrar que não somos obrigados a dar respostas imediatas. Podemos respirar fundo, avaliar o que é dito; encarar a correção (Deus corrige a quem Ele ama); aprender com os mais simples (revelastes aos pequenos, e ocultastes aos sábios).
Existe uma terceira forma de agir, que poderíamos chamar de assertiva, ou afirmativa. Nessa atitude, não negamos parte alguma da verdade: Nem a nossa verdade nem a verdade do outro. Não ignora a realidade que vive, mas também não atropela aquilo que o outro vive. E mesmo quando essas realidades são incompatíveis, busca-se sempre o acordo; busca-se identificar qual o compromisso viável que cada um dos dois pode firmar para que a relação cresça a partir daquela situação. É a busca por um ponto de equilíbrio. Se você quiser se observar, a cada situação difícil que enfrentar, pergunte a si mesmo:
Há alguma forma de falar a verdade?
Estou respeitando a mim mesmo?
Estou respeitando ao outro enquanto falo aquilo que é necessário?
Se calo, faço isso por renúncia, ao invés de fazê-lo por comodidade?
Estou colocando como prioridade o acordo, a conciliação, o crescimento mútuo, ao invés de procurar me auto-afirmar, provar que estou certo, ou fazer prevalecer minha ‘autoridade’?
Se você for capaz de responder sim a todas as perguntas, você está no caminho. Ser assertivo implica em buscar viver bem com os outros, falando a verdade, respeitando a sua realidade, suas necessidades, por mais difícil que seja, mas sem jamais perder de vista a necessidade de respeitar ao outro. Na maioria das vezes isso pode ser vivido atento à forma como se fala com o outro. Na entonação de voz, na capacidade de olhar no olho do outro, de olhar para o outro antes de falar algo, na postura. Enfim, é hora de praticar a ternura, a caridade, a compreensão, a bondade, a brandura, a humildade. Vamos viver esse desafio: Por hoje, buscar a forma mais adequada e mais terna de falar a verdade que precisamos dizer.

Cláudia May Philippi – Psicóloga Clínica – CRP 2357/1
Endereço eletrônico: c.may@tvcancaonova.com
Kleuton Izidio Brandão e Silva – Psicólogo Clínico – CRP 6089/1
Endereço eletrônico: kleuton@abordo.com.br

Conheça o Site da Comunidade Canção Nova de Brasília:
cancaonova.com/brasilia

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.