As riquezas que a chuva traz

Sabe aqueles dias onde o Céu, além de nublado, está escuro com nuvens carregadas e, a natureza parece quieta, não se ouve canto dos pássaros e aliás, eles estão mais quietos? As árvores, que por hora estão silenciosas como que à espera de algo divino, por um instante parecem sofrer com o agito dos ventos e a forte intensidade da chuva. O consolo está na esperança dos frutos que vêm após o temporal, eles sempre compensam os sacrifícios.

Lembro-me quando era criança; morava em um sítio e gostava muito de sair de casa depois da chuva só para ver as plantas limpinhas… era a expressão que eu, na minha ingenuidade de criança, usava para explicar ao papai, meu encanto ao contemplar a resposta da natureza depois da chuva. Na verdade, até hoje, gosto de repetir este ato, principalmente quando tenho a oportunidade de estar em sítios. Diga-se de passagem, o dia chuvoso traz suas riquezas… como é gostoso pôr uma roupa quentinha e ficar na janela de casa, principalmente se for num fim de tarde, observando os pingos da chuva que caem como que trazendo vida e esperança; tudo se renova, já observaram? E quando, logo após a chuva, o sol aparece, tudo brilha, os pássaros voltam a cantar e a natureza festeja o novo tempo.

Imagine se isso não aconteceria com o nosso interior? A chuva, as nuvens carregadas e o vento, neste caso, representam as lutas e sofrimentos que enfrentamos inevitavelmente no dia-a-dia. É o inverno necessário para nossa sobrevivência.

E quando somos coerentes, damos a mesma resposta da natureza. Os sofrimentos e desafios que enfrentamos, tendem a nos revigorar assim como a natureza é revigorada pela chuva e pelo vento.

É verdade que há dias nos quais, mesmo sem ter explicação, o que a gente mais deseja é ficar quieto e simplesmente existir, sem ter que explicar o porquê. Quando esta atitude no entanto, está ligada a um sofrimento concreto, é preciso tirar o bem maior da situação. Quem deseja crescer espiritualmente, precisa antes de tudo, ter a coragem e a sinceridade de reconhecer um sofrimento como sofrimento, e não fugir dele como alguns infelizmente fazem, lançando-se nas drogas ou em outros vícios. Seria como estar na chuva e ignorar que está se molhando.

Ir M. Annette – Movimento de Schoenstatt, falando sobre o valor do sofrimento escreve:

“Acontece com a alma humana o mesmo que acontece com o carvalho de poucos anos, ao enfrentar uma tempestade. O vendaval furioso açoita e sacode bruscamente os ramos e o tronco. Assim despertam-se as energias interiores da planta, que atuam, fortificando as raízes. Fazendo-as penetrar mais profundamente o solo, até que o tronco e a copa da árvore sejam capazes de resistir vitoriosamente a todos os vendavais. Igualmente as tormentas da alma tornam o homem mais profundo, espiritualmente mais forte e fecundo. Introduzem as raízes de sua alma mais profundamente em Deus. E Nele estando firmemente enraizado, não haverá poder algum nesse mundo que o possa abater ou atirar ao solo ”.

Portanto, se sol está brilhando ou se o tempo está nublado em sua vida, o importante é ter a docilidade de viver bem o momento.

Houve uma época em que eu tentava entender o motivo do sofrimento, hoje aprendi que devo perguntar para quê, pois é certo que ele traz um recado de Deus. Não tenha medo de ficar quieto quando preciso for e observe bem que depois da chuva, a natureza é lavada e torna-se mais colorida, mais bonita, assim é sua alma após superar um sofrimento. Viva melhor seus dias de chuva, eles trazem suas riquezas.


Dijanira Silva

Missionária da Comunidade Canção Nova, desde 1997, Djanira reside na missão de São Paulo, onde atua nos meios de comunicação. Diariamente, apresenta programas na Rádio América CN. Às terças-feiras, está à frente do programa “De mãos unidas”, que apresenta às 21h30 na TV Canção Nova. É colunista desde 2000. Recentemente, a missionária lançou o livro “Por onde andam seus sonhos? Descubra e volte a sonhar” pela Editora Canção Nova.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.