Amém

O Credo, como também o último livro da Sagrada Escritura, termina com a palavra hebraica “amen”. Ela encontra-se com freqüência no fim das orações do Novo Testamento. Também a Igreja conclui suas orações com o “amém”.

Em hebraico, a palavra “amém” está ligada à mesma raiz da palavra “crer”. Esta raiz exprime a solidez, a confiabilidade, a fidelidade. Assim, compreendemos por que o “amém” pode ser dito da fidelidade de Deus para conosco e de nossa confiança nele.

No profeta Isaías encontramos a expressão “Deus de verdade”, literalmente “Deus do amém”, isto é, o Deus fiel às suas promessas: “Todo aquele que quiser ser bendito na terra quererá ser bendito pelo Deus do amém” (Is 65,16).

Nosso Senhor emprega com freqüência o termo “amém”, por vezes em forma duplicada (Jô 5,19), para sublinhar a confiabilidade de seu ensinamento, sua autoridade fundada na verdade de Deus.

O “amém” final do Credo retoma e confirma, portanto, suas duas primeiras palavras: “eu creio”. Crer é dizer “amém” às palavras, às promessas, aos mandamentos de Deus, é confiar totalmente naquele que é o “Amém” de infinito amor e de fidelidade perfeita. A vida cristã de cada dia será, então o “amém” ao “eu creio” da profissão de fé de nosso Batismo.

O teu Símbolo seja para ti como um espelho. Olha-te nele para veres se crês tudo o que declaras crer e alegrar-te cada dia por tua fé. (Santo Agostinho)

O próprio Jesus Cristo é “o Amém” (Ap 3,14). Ele é o “Amém” definitivo do amor do Pai por nós; assume e consuma nosso “Amém” ao Pai: “todas as promessas de Deus, com efeito, têm nele (Cristo) seu sim; por isso, é por Ele que dizemos “amém” a Deus para a glória de Deus.” (2Cor 1,20)

“Por Cristo, com Cristo, em Cristo, a vós, Deus Pai Todo-poderoso, na unidade do Espírito Santo, toda honra e toda glória, agora e para sempre.”

AMÉM.

(cf. Catecismo da Igreja Católica)

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.