Algo mais que bondade

É comum ouvirmos declarações como esta: “Eu sou uma pessoa boa, pois nunca matei, nem roubei ninguém…” O certo é que, para nós cristãos, isso não basta. Somos chamados a algo mais. O próprio Cristo nos ensina que devemos amar nosso próximo como a nós mesmos e, isso nos faz agir diferente.

O problema é que, não ser o causador do mal, é uma atitude, embora louvável, é insuficiente para agradar a Deus e construir um mundo melhor. Mesmo não sendo os causadores dos males do mundo, os cristãos devem se envolver em todos os esforços, que busquem sanar os sofrimentos humanos em suas causas mais profundas, um grande exemplo disso são as Campanhas Solidárias e os serviços voluntários que têm crescido em todo mundo, graças a Deus!

Infelizmente para algumas consciências mais acomodadas, o pecado da omissão parece nem existir. Nesta época da Quaresma é até familiar a desculpa: “não vou confessar, porque não fiz nada de errado!” Ora, não praticar coisas erradas já é um primeiro passo, claro, mas é só o primeiro. Parar nele é cair em três terríveis pecados: acomodação, omissão e orgulho, e isso não combina em nada com nosso compromisso de cristãos.

Acredito que a Quaresma é por excelência, um tempo propício para refletirmos neste sentido. Será que até hoje, tenho sido apenas uma pessoa boa, segundo meu julgamento, ou tenho feito algo mais, amando concretamente meu próximo como o próprio Cristo me ensina?

Em todo caso, este é o tempo favorável, mãos à obra! Conservemos a bondade, mas não paremos nela; Deus nos chama a algo mais.


Dijanira Silva

Missionária da Comunidade Canção Nova, desde 1997, Djanira reside na missão de São Paulo, onde atua nos meios de comunicação. Diariamente, apresenta programas na Rádio América CN. Às terças-feiras, está à frente do programa “De mãos unidas”, que apresenta às 21h30 na TV Canção Nova. É colunista desde 2000. Recentemente, a missionária lançou o livro “Por onde andam seus sonhos? Descubra e volte a sonhar” pela Editora Canção Nova.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.