A Paciência dá Glória a Deus

“Está aqui conosco uma p essoa que outrora foi nossa educanda. É óbvio que põe à prova a minha paciência, vindo visitar-me várias vezes ao dia. Depois de cada visita fico cansada, mas reconheço que Nosso Senhor me enviou essa alma. Que em tudo sejais louvado, ó Senhor. A paciência dá glória a Deus. Oh! Como são pobres as almas!” (D. 920)

Santa Faustina está contando uma experiência vivida por ela quando estava doente: uma pessoa a visitava frequentemente, várias vezes ao dia para testar-lhe a paciência. Santa Faustina tentava se dominar ao máximo e não
perder em momento alguma paciência com aquela pessoa. Por causa de ter que se controlar continuamente acabava por ficar muito cansada. No meio da conversa pode perceber que era Jesus quem lhe enviara aquela alma, para desta forma ela pudesse ser resgatada experimentando por meio de Santa Faustina a paciência e a Misericórdia de Deus.

Santa Faustina então conclui: a paciência dá glória a Deus.
É isto que Jesus quer dizer hoje a você, que está sempre irritado, que perde o controle do seu temperamento, que está sempre reclamando, que não se dá ao trabalho de lutar pelo controle do próprio temperamento, mas que dá livre vasão ao seu jeito de ser, pensando que as pessoas precisam te aceitar como você é e que você não precisa fazer nenhum esforço para mudar: “Eu sou assim, quem quiser gostar de mim, precisa aceitar-me do jeito que eu sou…”

Você não pode ser assim!
Você precisa como Santa Faustina, que também tinha um temperamento forte, e que muitas vezes se se deixasse levar pelo seu temperamento natural, acabaria falando e tratando as pessoas de forma muito rude. Ela procurava se dominar, procurava ter o controle do próprio temperamento, ao ponto de ficar cansada de tanto procurar controlar o seu temperamento, a sua irritação. Graças a Deus ela sempre venceu.

E desta forma, ela deu muita glória a Deus, pois a paciência, a pessoa paciente consegue glorificar a Deus continuamente, já que não faz o que quer, mas procurava dominar-se para viver o que Jesus pediu no Evangelho: “Amai-vos como eu vos amei”.

Procure em casa, na convivência com as pessoas da sua família, no ambiente em que você trabalha, no trânsito em que você dirige, com as pessoas com quem você fala, procure ter o controle da sua paciência. Tente. Se você nunca tentou, você não pode dizer: “Eu não consigo”.

Tente. Faça um esforço. Procure perceber quais são as coisas, as pessoas, as situações que mais te tiram do sério. E depois, procure em cada uma delas, em cada momento manter a sua paciência sob controle. Comigo graças a Deus
tem dado certo. Muitas vezes, confesso, preciso passar um bom tempo diante do Santíssimo Sacramento em adoração para não estourar com aquela pessoa, nem querer resolver a situação do meu jeito. O certo é que eu jamais
desistirei, pois adquirir paciência e viver constantemente em espírito de paciência é uma luta que vai durar a vida inteira.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.