A importância do Amor

Nunca é demais lembrar que a palavra de Deus precisa ser levada a sério. Do contrário, correríamos o risco de virar idólatras ou adoradores de um deus inexistente.

A Palavra de Deus nos fala da história de dois amores: o amor a Deus e o amor ao próximo, os quais não podem subsistir separados um do outro. Se teimássemos em amar a Deus sem amar o nosso semelhante, cairíamos no pecado da idolatria, pois estaríamos amando e adorando um deus que não existe: um deus falso e abusivo…

O Deus verdadeiro nos deixou o endereço certo de sua morada: o coração do nosso semelhante. É que também Deus nos ama através do amor que o irmão nos dedica. E isso quer dizer que, se não houver amor entre nós, teremos a sensação de que Deus não nos ama. Não é verdade, mas essa sensação fica aí, quase como castigo bem merecido…

A importância do amor que dedicamos ao nosso semelhante é tão grande que, sem ele, o Evangelho ficaria atraiçoado, o cristianismo não teria sentido e nosso amor para com Deus seria por ele recusado…

Só estaremos em dia com a nossa fé à medida que soubermos enxergar em nosso próximo o acramento – ou o sinal visível – do próprio Deus. E à medida que soubermos ser, para nosso próximo, o sacramento ou o sinal visível do mesmo Deus.

Precisamos acreditar: seria completo delírio pretender amar a Deus e continuar desprezando nosso semelhante, cultivando o racismo, praticando a vingança, entregando-nos ao egoísmo…

Separar Deus do ser humano é o mesmo que desalojá-lo de sua morada legítima. E pretender amar a Deus sem amar o ser humano seria contrariar a lógica do amor. Pois “se você não ama seu irmão a quem vê, como poderia amar a Deus a quem você não vê? …” (1Jo 4,20).

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.