Afetividade sadia

O que é sadia convivência?
É viver com naturalidade e sinceridade os nossos relacionamentos. O termo “sadia” é antônimo de doente.

Hoje vivemos numa sociedade doente, marcada pela pornografia, pela malícia nos relacionamentos, pelas brincadeiras inconvenientes, e tudo conduz para o sensual. A Palavra de Deus nos diz: “Não vos conformeis com este mundo” (cf. Romanos 12,2)
No viver de forma sadia, tudo isso precisa ser eliminado.

“A imoralidade sexual e qualquer espécie de impureza ou cobiça sequer sejam mencionadas entre vós, como convém a santos. Nada de palavrões ou conversas tolas, nem de piadas de mau gosto: são coisas inconvenientes; entregai-vos, antes, à ação de graças. Pois, ficai bem certos: nenhum libertino ou impuro ou ganancioso – que é um idólatra – tem herança no reino de Cristo e de Deus” (Efésios 5,3-5).

Tenho a graça de relacionar-me bem com minhas irmãs e irmãos de comunidade. Tem sido para mim um motivo de realização pessoal, pois eu era uma pessoa tímida, introvertida, mas a nossa sadia convivência me curou também no meu temperamento e na minha forma de lidar com as pessoas.

A comunidade nos ajuda a buscar a santidade, ela nos impulsiona a sermos santos. Se você busca esses propósitos, ressurge no coração o desejo de corresponder, buscando uma vida íntegra e equilibrada.

O Senhor quer ajudar você, mas ajude o Senhor.
“Filho, pecaste? Não tornes a fazê-lo; e suplica pelas faltas passadas para que te sejam perdoadas. Foge dos pecados de uma cobra: se deles te aproximares, te morderão” (Eclesiástico 21,1-2).

Há pessoas que, com boa intenção de ajudar o outro, começam a se aproximar sem conhecer as suas fragilidades; o resultado, no entanto, pode ser desastroso, porque em vez de ajudar acabam provocando sentimentos que prejudicam a vida do outro.

Dom Bosco dizia que para salvar os jovens ele iria até as últimas conseqüências, mas era preciso ser prudente.
Há confusão quando não há maturidade.

Temos um modelo na nossa comunidade: Padre Jonas Abib, que atingiu a maturidade na sexualidade. Assim como Paulo diz às comunidades: “Sede meus imitadores”, o meu fundador também diz: “Sejam meus imitadores, meus filhos”.

Mas é preciso construir um caminho de luta, de sacrifício, de esforço, dedicação e zelo.
Porém, se você busca a castidade, mas não consegue se desvencilhar dos filmes pornográficos e das seções de piadas, como ser curado?

A Igreja ensina que o diabo não entra na nossa vontade, ele apenas age de acordo com as sensações, os impulsos; ele percebe que houve uma brecha naquele determinado lugar e entra.
Dentro de você precisa haver uma disposição interior para que possa fechar todas as brechas.

Somente conseguiremos ser homens profundamente curados na nossa afetividade e sexualidade pelo poder do Espírito Santo.
A cada dia peçamos esta graça para que sejamos homens curados e plenos do amor de Deus.

.: Do livro: A cura da nossa afetividade e sexualidade

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.