Relacionamento

A intimidade do beijo

O beijo é um dos carinhos que, dado ao valor de sua intimidade, eleva a qualidade do relacionamento

Na vida conjugal, o envolvimento íntimo é perfeitamente concebível e muito importante de ser cultivado. Entretanto, alguns casais que já convivem há algum tempo podem deixar de lado alguns pequenos hábitos – característicos dos envolvimentos românticos – sem perceber. Quando é comentado sobre o assunto, dizem ter perdido o romantismo, que isso é coisa própria de “namoradinhos” ou de recém-casados… Mas o romantismo na vida conjugal não acontece, exclusivamente, na vivência da intimidade sexual, tampouco está compreendido em um determinado período da vida das pessoas.
A intimidade do beijoFoto: Wesley Almeida/cancaonova.com
Sabemos que algumas intimidades não podem ser vividas com os amigos, pois eles pertencem a outro nível de relacionamento. Abraçamos e beijamos nossos colegas, pais, irmãos; mas aquele tipo de beijo que sonhávamos em dar quando éramos adolescentes, hoje só tem seu devido valor se for dado naquela pessoa que faz nosso coração palpitar e nos faz suspirar quando pensamos nela.
Podemos imaginar o assombro que foi na época em que o primeiro beijo na boca foi apresentado como parte do enredo dos filmes nos cinemas. Entretanto, em alguns casamentos a surpresa está em perceber que há muito tempo os casais deixaram de suspirar por viver tal “assombroso” encanto.

Qualidade no relacionamento

O beijo na boca é um dos carinhos que, dado ao valor de sua intimidade, eleva a qualidade do relacionamento, por isso é necessário como complemento para o envolvimento sexual dentro do casamento. Não me refiro aqui aos “selinhos” que trocamos na pressa do dia a dia ou a outros beijos que damos ao cumprimentar os colegas, mas ao caloroso beijo na boca. Isso faz parte do romantismo dentro da vida conjugal.

Alguns jovens têm a ideia, equivocada, de que no relacionamento amoroso deve haver obrigatoriamente a intimidade sexual. Para eles, os indicadores de que o namoro está em franco desenvolvimento quase sempre são medidos pela frequência do envolvimento íntimo. Se compararmos alguns casamentos com o modo como alguns namoros acontecem, poderíamos dizer que muitos cônjuges estão vivendo como amigos, quiçá como irmãos. Haverá momentos na vida conjugal em que o casal poderá agir, também, como amigos; assim como haverá outros em que, na intimidade, o cônjuge preferirá, certamente, ter a companhia do(a) esposo(a) mais romântico (a).

O romantismo na vida conjugal

Não podemos permitir que os nossos casamentos se esvaziem daqueles carinhos próprios de casais; deixando de viver como pares apaixonados. Se a intimidade do beijo na boca está deixando de acontecer entre os casais, esse é o primeiro sinal da rarefação do romantismo que, um dia, embalou os nossos namoros. Se há casais que, dentro do casamento e gozando de plena saúde, ainda assim, não vivem tal intimidade, infelizmente, não estão vivendo um relacionamento romântico, mas sim a afabilidade fraternal.

Leia mais:
:: Estabelecer limites é essencial para um namoro saudável
:: Casais, aprendam a importância do diálogo
:: Traição: a primeira insegurança de muitos casais
:: Doença: a segunda insegurança de muitos casais

Da mesma maneira como aconteceu no começo do namoro, quando passamos da fase do andar de mãos dadas e dos abraços até viver a intimidade do beijo, que possam ser esses os caminhos da retomada.

Um abraço e um beijo fraterno

Dado Moura

Dado Moura trabalha atualmente na  Editora Canção Nova, autor de 4 livros, todos direcionados a boa vivência em nossos relacionamentos. Outros temas do autor estão disponíveis em www.meurelacionamento.net twitter: @dadomoura facebook: www.facebook.com/reflexoes

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.