Dia do consagrado

“Vida consagrada, uma vocação na Igreja”: este foi o tema escolhido pela Conferência dos Institutos Religiosos de Portugal (CIRP), para celebrar, em 2007, o Dia do Consagrado.

Segundo a história do Cristianismo, a Festa da Apresentação de Jesus no Templo, 40 dias após o nascimento d’Ele, foi sempre vista sob o ponto de vista da consagração. Com o passar do tempo, certamente, guiados “pelo mesmo Espírito”, religiosos de diversas partes do mundo tiveram a iniciativa de celebrar esta data, pondo, assim, em evidência a consagração na diversidade de carismas.

Em 1997, o memorável Papa João Paulo II instituiu, oficialmente, o dia 2 de fevereiro como o Dia do Consagrado.

“Já faz algumas décadas – declarou o Pastor da Igreja, que na Igreja a festividade do dia 2 de fevereiro reúne quase espontaneamente numerosos membros de Institutos de Vida Consagrada e de Sociedades de Vida Apostólica ao redor do Papa e dos Pastores Diocesanos, para manifestar coralmente, em comunhão com o inteiro Povo de Deus o Dom e o compromisso do próprio chamado, a variedade dos carismas da vida consagrada e a sua peculiar presença no âmbito da comunidade dos que crêem. Desejo que esta experiência se estenda a toda a Igreja, de modo a que a celebração do dia da Vida Consagrada reúna as pessoas consagradas, juntamente com os outros fiéis, para cantar com a Virgem Maria as maravilhas que o Senhor realiza.” (Mensagem de João Paulo II para celebração do primeiro dia da Vida Consagrada, 6 de janeiro de 1997).

Muito além de um projeto pessoal, a Vida Consagrada é antes uma iniciativa de Deus, a qual é complementada pelo “sim” de cada homem e mulher escolhidos. Pessoas que deixam suas vidas profissionais e familiares, seu futuro no mundo, em vista da renúncia de si mesmas, na vivência de votos evangélicos, em exclusivo seguimento de Cristo, a serviço da Igreja na evangelização, intercessão e promoção da dignidade humana; a estes a Igreja chama de consagrados.

Entre os vários Institutos de Vida Consagrada e Religiosa já conhecidos na história, surgiram, – nas últimas décadas –, as Novas Comunidades. São homens e mulheres, que consagram suas vidas a Cristo, em associações privadas ou públicas de fiéis. O grande diferencial desta pertença está na vivência comunitária, formada pelos diversos estados de vida numa mesma consagração. É o caso da Comunidade Canção Nova, uma das pioneiras nesta forma de vida, que conta hoje com aproximadamente mil membros consagrados, entre sacerdotes, leigos, celibatários e casais unidos pela mesma missão – evangelizar.

“Nascemos da evangelização e para a evangelização”, afirma seu fundador, padre Jonas Abib.

Durante Celebrações Eucarísticas realizadas, hoje, em diversos lugares do Brasil e em outros países, nos quais a Comunidade Canção Nova está presente, seus membros renovam o compromisso de viver a consagração a Deus dentro do carisma que lhe é próprio.

 


Dijanira Silva

Missionária da Comunidade Canção Nova, desde 1997, Djanira reside na missão de São Paulo, onde atua nos meios de comunicação. Diariamente, apresenta programas na Rádio América CN. Às terças-feiras, está à frente do programa “De mãos unidas”, que apresenta às 21h30 na TV Canção Nova. É colunista desde 2000. Recentemente, a missionária lançou o livro “Por onde andam seus sonhos? Descubra e volte a sonhar” pela Editora Canção Nova.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.