Pontífice

Os ensinamentos de Francisco

Papa Francisco cativou os cristãos com gestos simples e grandes ensinamentos

“Procuro manter o mesmo jeito de ser e de agir que tinha em Buenos Aires, porque, se eu mudar, na minha idade, com certeza vou fazer um papel ridículo. Não quis morar no Palácio Apostólico. Vou lá só para trabalhar e para as audiências. Fiquei morando na Casa Santa Marta, que é uma casa de hóspedes (onde ficamos hospedados durante o Conclave) para bispos, padres e leigos. Estou perto das pessoas e levo uma vida normal: Missa pública de manhã, como no refeitório com todos etc. Isso me faz bem e evita que fique isolado.”

No trecho da carta acima, o Papa Francisco explica para um padre de Buenos Aires por que decidiu morar na Casa Santa Marta. A simplicidade de suas palavras e a delicadeza de seus gestos revelam ao mundo um rosto solidário e humano.

Quando eleito, pouco sabíamos sobre o Cardeal Jorge Mario Bergoglio. De nosso conhecimento, era apenas o nome escolhido para acompanhá-lo como Papa: Francisco. Tudo o que antecedeu à sua escolha foi sinal do Espírito Santo anunciando que continuaríamos guiados pelo amor de Deus presente em quem fosse eleito. Até hoje nos lembramos daquele franciscano, em plena Praça de São Pedro, que, sob o frio e a chuva, intercedia a Deus pela escolha do novo Pontífice.

Francisco chegou simples. Com olhar sereno e sorriso cativante, conquistou, logo no primeiro encontro, a simpatia dos católicos e não católicos por todo o mundo. O nome escolhido desarmou os críticos que esperavam armados nas trincheiras de suas opiniões.

Hoje, encontramos ampla literatura sobre aquele que foi escolhido pelo Espírito Santo para conduzir nossa Igreja. A escrita de Francisco é simples. Fala com uma humildade que confunde os sábios e os entendidos. Não busca na Palavra reflexões complexas, mas afirma o amor no concreto das experiências da vida. Muitas vezes, usa exemplos de sua própria vida para ilustrar reflexões, e assim nos aproxima do humano que também somos.

Recentemente, em uma audiência, ele disse: “Também o Papa tem muitos pecados, mas quando nos damos conta deles, encontramos a misericórdia de Deus. Ele sempre nos perdoa. Não nos esqueçamos disso”. No gesto humilde de se reconhecer pecador, ensina-nos que não estamos condenados a ficar presos em nossas misérias, mas aponta o caminho para uma vida nova: a misericórdia divina.

Segundo o blog La Nación, após o Papa sair de seu quarto, logo de manhã, encontrou um soldado guardando seu apartamento. Curioso, perguntou a ele se havia passado a noite toda ali em pé. Ouvindo uma resposta afirmativa, Francisco pediu que ele se sentasse, pois deveria estar muito cansado. Retornando ao seu apartamento, trouxe uma cadeira para que o guarda pudesse se sentar e descansar. Negando o pedido do Pontífice, pois cumpria as ordens de seu chefe, ouviu dele a seguinte frase:

– Tudo bem, mas eu sou o Papa e lhe peço que se assente.

Retornando novamente ao seu apartamento, trouxe pão com presunto e ofereceu ao guarda dizendo-lhe:

– Bom proveito, meu irmão.

Francisco tem muito o que nos ensinar. Com ele estamos aprendendo o caminho do amor que passa, necessariamente, pela humildade e pela caridade. A fé que ele transmite por meio do olhar sereno, do sorriso sincero e da simplicidade de suas palavras são sinais da continuação daqueles dias de esperança que antecederam a sua escolha.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.